Notícias Mundo

Um discurso que terminou em fiasco e deu início ao movimento olímpico

O dia foi cuidadosamente planejado. Após anos de pesquisa, o barão de 29 anos tornou pública sua ideia de reviver os Jogos Olímpicos da Grécia antiga na era moderna. Ele escolheu a velha Sorbonne em Paris para fazer seu discurso e por ocasião do quinto aniversário da fundação da associação francesa de atletismo. Foi um cenário maravilhoso para uma grande ideia: uma competição esportiva para unir as nações e aprender umas com as outras – para promover o internacionalismo e a paz mundial, nada menos.

O discurso ficou em silêncio.

A audiência “não foi negativa, mas não houve apoio”, diz David Wallechinsky, autor e membro fundador da Associação Internacional de Historiadores Olímpicos. “Ele fez um bom discurso e o público errado – um público que não foi bom o suficiente ou não foi aberto o suficiente.”

“Coubertin percebeu que havia falhado, mas foi persistente”, acrescenta Wallechinsky. “Ele percebeu que o idealismo não era suficiente. Ele tinha que começar a trabalhar e fazer o trabalho. “

O fato de o discurso ser tão reverenciado – o manuscrito original de 14 páginas custou US $ 8,8 milhões em 2019, tornando-se a lembrança de esportes mais valiosa já vendida em leilão – testemunha o que aconteceu a seguir.

Espirito olímpico

Manifesto original dos Jogos Olímpicos, escrito em 1892 por Pierre de Coubertin, exibido publicamente na Sotheby's em Century City, Califórnia, em 23 de outubro de 2019.

Em 1892, a França ainda não levava o esporte organizado a sério, diz Stephan Wassong, um especialista na vida de Coubertin e chefe do Instituto de História do Esporte da Universidade Alemã de Esportes em Colônia. A atividade física e os esportes organizados faziam parte do programa militar, mas não do programa escolar, ao contrário dos Estados Unidos e da Grã-Bretanha.

Coubertin, um forte defensor do valor educacional do esporte, acreditava que “é bom para o cérebro” e que “mente e corpo podem trabalhar juntos e ajudar uns aos outros”, explica Wassong. Ele viajou para a Inglaterra, onde o esporte já fazia parte do cotidiano dos alunos de internatos e onde eventos locais como as Olimpíadas de Wenlock, fundadas em 1850, reuniram atletas de diversas modalidades.

Mas foi um esporte que se harmonizou com sua segunda paixão, o que deu uma vantagem à ideia de Coubertin. Um internacionalista juramentado cujos escritos descrevem o “despertar” na Feira Mundial de 1878, envolveu-se no movimento pela paz mundial, que, como muitos outros movimentos, estava centrado na época em Paris.

Tendo testemunhado o inglês Hodgson Pratt propondo um intercâmbio internacional de estudantes para promover a tolerância na Conferência Mundial da Paz em Roma em 1891, “Coubertin pegou essa ideia e … combinou-a com o esporte”, disse Wassong.

Como Lou Gehrig, beisebol e esta doença mortal estavam conectados para sempre

Não era “um conceito popular”, diz Wallechinsky, especialmente entre os líderes em uma era de colonialismo e a rivalidade entre as ambições imperiais das nações europeias. Mas Coubertin acreditou em sua ideia.

Quando chegou a noite na Sorbonne, o discurso se apegou ao renascimento popular de todas as coisas gregas e usou a reputação dos antigos Jogos Olímpicos para apoiar sua ideia. Coubertin elogiou o desenvolvimento do esporte da Alemanha à Suécia, da Grã-Bretanha aos Estados Unidos, lamentou o início lento da França e chamou o esporte de “o livre comércio do futuro”.

O esporte foi colocado no mesmo pedestal das inovações científicas e de engenharia da época: “É claro que o telégrafo, a ferrovia, o telefone, a pesquisa apaixonada, os congressos e as exposições fizeram mais pela paz do que qualquer tratado ou convenção diplomática”. disse Coubertin. – Bem, espero que o atletismo faça ainda mais. Aqueles que viram 30.000 pessoas correndo na chuva para uma partida de futebol não pensariam que eu estava exagerando.

Relacionado: Mark Spitz fala sobre as sete maneiras de sobreviver às Olimpíadas

O discurso “estabeleceu claramente as bases educacionais da ideia olímpica, o olimpismo”, diz Wassong, “e sua missão de construir um mundo melhor por meio do esporte”.

Mas embora sua retórica elevada não fosse surda esta noite, Coubertin tinha a vontade e os meios e fez campanha em toda a Europa sobre os Jogos Olímpicos de hoje.

Dois anos depois voltou para a antiga Sorbonne e os planos para os primeiros Jogos foram formalizados na mesma sala. Sua mensagem foi finalmente ouvida. Em 1896, os Jogos Olímpicos reviveram em Atenas, Grécia.
A partir da esquerda: Willabald Gebhardt da Alemanha, Barão Pierre de Coubertin da França, Jiri Guth da República Tcheca, Presidente Dimitros Vikelas da Grécia, Ferenc Kemey da Hungria, Aleksei Butovksy da Rússia e Wiktor Balck da Suécia no primeiro Comitê Olímpico organizado para os Jogos Olímpicos de 1896.

Legado complexo

Coubertin tinha falhas significativas. No início, ele não acreditava que as mulheres deviam participar dos Jogos (as mulheres competiram pela primeira vez em 1900) e, com sua mentalidade de classe alta, ele tinha pontos de vista “na melhor das hipóteses condescendentes e, na pior, racistas” em alguns países, diz Wallechinsky.

Ele também disse que o movimento olímpico “precisava de atualização e adaptação constantes ao espírito da época”, observa Wassong. Assim, embora o movimento tenha uma dívida de gratidão para com Coubertin, certos pontos de vista que sustentava deveriam, como ele admite, ficar feliz em deixar para trás e se separar dos Jogos.

Relacionado: Oligarca russo doa manifesto olímpico de US $ 8,8 milhões ao museu
Em 1896, 12 países competiram. Em Tóquio 2020, convites para os Jogos foram enviados a mais de 200 nações, estados e territórios. Hoje, os Jogos são quase irreconhecíveis em termos de escala, variedade e nível de avanço nos esportes. Mas o espírito de fala de Coubertin vive em uma competição amigável.

“Teremos aproximadamente 11.000 atletas em Tóquio”, diz Wallechinsky. “A grande maioria – eu diria 80% ou mais – não terá chance de ganhar uma medalha e eles sabem disso … Mas a maioria deles está lá para estabelecer um recorde pessoal, estabelecer um recorde de país, fazer o que puderem. Acho que de Coubertin adoraria.

Leave a Comment