Notícias Mundo

Na campanha do Dems para trazer mais diversidade profissional ao júri federal

Mas essa não é uma tarefa que o presidente possa fazer sozinho. Em vez disso, depende dos senadores para expandir o conjunto de candidatos em potencial que trazem para a Casa Branca.

A ênfase de Biden em nomear mais ex-defensores públicos (12 no total são seus 32 indicados), bem como ouvidores (quatro de 32) e advogados trabalhistas, é o resultado de uma campanha de vários anos para pensar sobre quem poderiam ser os juízes .

Isso significou mudanças no pipeline por meio do qual os candidatos em potencial viajam. Um pouco NSOs legisladores mudaram seus procedimentos de encaminhamento e, com o envolvimento de diferentes tipos de advogados no processo de nomeação de juízes, viram um número recorde de candidatos a cargos judiciais em seus estados.

“Encontrar esses candidatos e fazer com que eles se inscrevam e apoiem no processo exige muito trabalho”, disse Chris Kang, que trabalhou em nomeações judiciais para a Casa Branca de Obama e agora é o principal assessor do grupo jurídico progressista Demand Justice. . “Se os senadores não quiserem se esforçar, não vai acontecer por si só

Qualidade, não apenas quantidade, é o refrão dos democratas que iniciaram essa modernização do judiciário. Depois que o presidente Donald Trump conseguiu colocar 234 juízes na bancada federal – uma conquista garantida em parte pela recusa dos republicanos do Senado em endossar alguns dos indicados de Obama no final de seu mandato – os democratas têm muito que recuperar se quiserem contrariar a influência de Trump. Afirmando juízes que têm uma experiência de trabalho muito mais diversificada, eles argumentam que deixarão uma marca no judiciário além do número de juízes que Biden poderá designar em última instância.

Eles dizem que os americanos terão mais confiança no Judiciário se o Judiciário for mais parecido com eles. As nomeações de advogados de origem imigrante, trabalhista e eleitoral são estimulantes para esses constituintes, depois que os democratas têm sido historicamente acusados ​​de não priorizar o judiciário o suficiente.

Um alto funcionário da Casa Branca enfatizou que não há testes de tornassol para os candidatos de Biden.

“Nosso objetivo a este respeito não é fazer nenhum grupo constituinte ou grupo feliz. Acho que o nosso trabalho deixa muita gente feliz, mas é porque temos o mesmo objetivo ”, disse o dirigente. “Precisamos do desenvolvimento de nossa legislação para refletir as perspectivas de toda a profissão.”

Na quarta-feira, dois nomeados experientes como procuradores públicos – Omar Williams e Michael Nachmanoff, que foram nomeados para tribunais em Connecticut e Virgínia, respectivamente – estarão entre os nomeados que testemunharão para um comitê judicial do Senado. Nos próximos dias, o comitê também considerará as nomeações de dois outros ex-advogados de defesa pública – Jia Cobb e Sarah Merriam, para os tribunais apropriados em Washington, DC e Connecticut – bem como a nomeação de Myrna Perez, a principal advogada de direitos de voto que foi nomeado para o tribunal federal de apelações.

Comissões de seleção de mudança

Os presidentes, especialmente no que diz respeito ao preenchimento de vagas em tribunais distritais, contam com os senadores para recomendar candidatos aos tribunais de seus estados. Esses procedimentos de encaminhamento – que para alguns senadores incluem comitês consultivos para selecionar candidatos – foram examinados por reformadores do tribunal que criticaram o número esmagador de ex-promotores e advogados corporativos na bancada.

De acordo com o relatório de esquerda do People’s Policy Project de 2020, os promotores também estavam sobre-representados nos comitês de seleção pública, que eram usados ​​por 19 senadores democratas na época (outros 18 democratas na época não forneceram informações sobre quem estava sentado em seus comitês de seleção, enquanto o resto do Caucus usou processos mais informais para selecionar potenciais candidatos judiciais). .
Não surpreendentemente, o preconceito contra os promotores no processo de seleção historicamente mudou para o painel. Os ex-promotores são mais numerosos que os ex-promotores na proporção de quatro para um, de acordo com um estudo do libertário Cato Institute.

Depois que a equipe de transição de Biden deixou claro que seu governo desejaria mais diversidade profissional entre os juízes indicados, alguns senadores tomaram medidas adicionais para tornar esse mandato uma realidade.

A maneira como a senadora democrata Patty Murray e Maria Cantwell reconstruíram seu comitê de seleção foi considerada um modelo a ser considerado por outros senadores.

Os senadores indicaram meia dúzia de novos membros para seu comitê de seleção este ano, incluindo um defensor tribal, um ex-defensor público e muitos advogados com experiência em direitos civis. Até agora, entre os candidatos que emergiram deste julgamento estão Tana Lin, uma ex-promotora pública, e Lauren King, uma advogada indiana com vasta experiência em direito tribal.

“O senador Murray é realmente alguém a quem o resto do clube pode esperar”, disse Daniel Goldberg, diretor jurídico da Alliance for Justice, à CNN. Suas recomendações, disse Goldberg, “provam que ela levou a sério a necessidade de expandir o pool”.

Um comitê de seleção formado pelos senadores Michael Bennet e John Hickenlooper, do Colorado, também ganhou reconhecimento de advogados progressistas por uma linha de advogados com experiência em imigração, nativos americanos e direito ambiental (uma transição da iteração anterior do comitê de seleção de Bennet, que, de acordo com o relatório do People’s Policy Project, estava cheio de advogados e promotores corporativos).
O comitê de nomeação federal criado pelo senador da Geórgia Raphael Warnock e Jon Ossoff – ambos novos no Senado – é composto por vários advogados de direitos civis, bem como advogados com experiência em defesa criminal e legislação de imigração.

Cabe a cada senador se quer constituir uma comissão – e tornar seus membros públicos – para obter recomendações ou para encontrar nomes por conta própria.

Funcionários do Comitê Judiciário do Senado oferecem conselhos e recursos sobre os prós e os contras de cada caminho e, nessas negociações deste ano, o comitê enfatizou a ênfase na diversidade profissional, disse um colega do comitê democrático à CNN.

“Certos passos foram dados por meio de processos de comitês em vários estados para garantir que haja mais candidatos em potencial nas fileiras de defensores públicos, advogados de direitos civis, advogados de imigração, etc.” Disse o conselheiro. “Acho que é realmente um entendimento comum por parte dos democratas do Senado que esse reequilíbrio é importante.”

“Sinal para a comunidade jurídica”

A busca por uma maior diversidade profissional no Judiciário vem ocorrendo há anos. Era de interesse de vários grupos externos, e alguns democratas, como a senadora de Massachusetts Elizabeth Warren, há muito também falam abertamente sobre isso.
A carta de dezembro aos senadores democratas da futura conselheira da Casa Branca, Dana Remus, continuou a ser um determinante significativo do movimento. Nele, o próximo governo Biden deixou claro que queria se concentrar na nomeação de pessoas com experiência jurídica que estavam “historicamente sub-representadas na bancada federal”, incluindo “defensores públicos, advogados de direitos civis e de assistência jurídica, e que representam os americanos em cada etapa da vida. ”

A carta serviu como uma ferramenta-chave de recrutamento, disse Lena Zwarensteyn, diretora sênior da Fair Courts Campaign na conferência Leadership for Civil Rights.

“Uma chamada realmente unificada para toda a comunidade, eu acho que é muito, muito útil”, disse Zwarensteyn CNN, “não apenas sacudir como os senadores podem pensar sobre isso, mas também sinalizar para a comunidade jurídica, o escopo total se: ‘ Por favor, vá em frente, você deve se colocar lá. ‘

Os senadores e seus comitês consultivos tentaram transmitir essa mensagem aos círculos profissionais que geralmente não estão associados ao caminho para a bancada. Em Washington, isso significava que um grupo diversificado de membros do comitê de seleção poderia usar diferentes redes profissionais, de acordo com o testemunho que o co-presidente do comitê, Ian Warner, deu à Câmara na audiência deste mês sobre a diversidade judicial.

“O resultado desses esforços de recrutamento foi o maior e mais diversificado grupo de candidatos desde o início da comissão”, disse ele à House of Warner. “Recebemos mais de 75 propostas que representam verdadeiramente a comunidade jurídica e mais ampla de Washington.”

A comissão que o senador californiano Alex Padilla formou inclui uma pessoa focada em “estender a mão para oferecer diversidade ao grupo de candidatos”, disse seu gabinete à CNN.

De acordo com o gabinete da senadora Debbie Stabenow, que divulgou que ela e seu colega senador democrata de Michigan, Gary Peters, haviam feito um cargo judicial para mais de 60 alvos especiais em Michigan que foi preenchido sob a administração. associações de advogados.

De acordo com seu gabinete, o comitê de seleção da senadora democrata Dianne Feinstein também examinou um recorde de 300 candidatos para vagas em um tribunal da Califórnia.

“Havia grupos de fora que estavam trabalhando nisso, os senadores realmente aceitaram. Portanto, não foi difícil convencer as pessoas de que essa era uma mudança importante a ser feita ”, disse um alto funcionário da Casa Branca à CNN. “Uma grande parte disso foi comunicar uma mensagem aos vários praticantes:“ Se você é um promotor público, se você é um advogado dos direitos civis, pode não ter sido o caminho tradicional, mas precisamos de você no tribunal ”.

Leave a Comment