Notícias Mundo

Opinião: Democratas arriscam sua maioria com o amplo programa de gastos do partido

A América está desesperada para lidar com sua infraestrutura física frágil e decadente para impulsionar nossa economia, criar empregos, melhorar o fluxo de tráfego, melhorar os sistemas de água, expandir a banda larga rural e muito mais. Agora que um acordo foi alcançado no Senado sobre a infraestrutura interpartidária, há um momento real para alimentar essa legislação ainda não escrita por meio do Senado com uma forte votação entre os partidos. Muitos membros desejam desesperadamente um acordo com resultados reais para que possam mostrar a seus eleitores que o governo pode realmente funcionar quando pessoas de boa fé buscam consenso e concessões. Não me entenda mal; este trem legislativo poderia facilmente inviabilizar a Câmara, mas estou otimista.

Agora, a questão é o que isso significa para uma resolução orçamentária separada de US $ 3,5 trilhões e subsequente pacote de conciliação que inclui gastos com a ampla agenda social do presidente Joe Biden – e que os democratas esperam aprovar a linha do partido, sabendo que os republicanos não o farão Apoio, suporte. Estarão os democratas progressistas que apóiam o pacote de reconciliação também dispostos a votar a favor do projeto de infraestrutura entre os partidos negociado pelo Senado?

Seria sensato que os democratas da Câmara dos Representantes aceitassem este acordo. Claro, eles tentarão ter suas impressões digitais em cada ato que se torne lei. Em minha experiência, sempre que o Senado chega a um acordo interpartidário sobre uma peça legislativa importante e com uma voz forte, a Câmara engole e se alimenta todas as vezes. Sim, os membros da Câmara se envolverão em histriônica, gritando e berrando sobre como foram abafados pelo Senado – antes de renunciarem e se renderem à câmara alta. Afinal, a Câmara pode fazer algumas pequenas emendas à legislação do Senado, mas não se engane, a estrutura básica do Senado vai prevalecer.

O acordo bipartidário no Senado, com o apoio do presidente, exerce enorme pressão sobre a Câmara para que tome as medidas em vigor. A ala esquerda do Partido Democrata vai gritar mais alto e pode tentar acabar com o acordo. Eles dirão que a conta não é grande o suficiente, não vai longe o suficiente e não atende às necessidades de milhões de americanos.

Se de fato a ala progressista do Partido Democrata rejeitar esse acordo, haverá consequências: a primeira é um gigantesco pacote de conciliação de US $ 3,5 trilhões que está em terreno instável para começar. Por que o senador Joe Manchin e Kirsten Sinema e os democratas moderados da Câmara em distritos rivais votariam em um projeto de reconciliação inchado e de guerrilha depois que a extrema esquerda abandonou uma medida de infraestrutura física delicadamente negociada e bem direcionada?

Grande semana de Joe Biden

Com margens tão baixas quanto as da Câmara e do Senado, a presidente Nancy Pelosi e o líder da maioria Chuck Schumer não têm margem para erros. Se os democratas progressistas na Câmara dos Representantes quiserem prosperar, explodir este acordo não lhes fará bem. No final das contas, a esquerda provavelmente sucumbirá ao pacote bipartidário de infraestrutura do Senado.

Tudo isso torna convincente a admoestação dos democratas no Congresso feita pelo entrevistador do ex-presidente Barack Obama, Joel Benenson. Benenson diz que quanto maiores são essas contas enormes, maior é a probabilidade de os eleitores indecisos rejeitarem o produto final. Ele está certo. O presidente Biden seria sábio se gastasse menos tempo ouvindo o senador Bernie Sanders e a ala esquerda de seu partido, e mais tempo ouvindo a chamada dos senadores democratas moderados Manchin e Sinem e do representante Josh Gottheimer que liderou as negociações do pacote bipartidário de infraestrutura em suas casas, e que insistem na contenção contra o devastador projeto de conciliação de US $ 3,5 trilhões que está esperando nas asas.

Manchin, Sinema e Gottheimer vivem em um mundo real onde a mera adaptação de uma base democrática certamente não será recompensada por seus constituintes. Eles entendem claramente essa realidade subjacente e sabem que a sustentabilidade e a sustentabilidade de políticas públicas significativas requerem consenso e compromisso entre as partes.

Um filme de terror de Washington que pode ter um final feliz
A história nos diz que os democratas enfrentam dificuldades particularmente assustadoras para manter uma maioria restrita na Câmara na eleição de meio de mandato de 2022, e um Senado igualmente dividido pode mudar também. Portanto, os democratas deveriam reduzir significativamente seus gastos de US $ 3,5 trilhões porque, de acordo com o Comitê não partidário do Orçamento Federal Responsável, “a política em consideração pode custar de US $ 5 a US $ 5,5 trilhões em uma década”.

Não é sincero chamar de “infraestrutura” o enorme aumento do financiamento para serviços sociais e serviços sociais. Os americanos não são tão crédulos. Nos últimos anos, tornou-se moda sugerir que “os déficits não importam”. Na verdade, o que importa é como os líderes do país administram os déficits.

Embora os efeitos brutais da pandemia certamente tenham justificado os gastos maciços no apoio e estabilização das vidas e meios de subsistência de nossos concidadãos e da economia como um todo, usando a crise de saúde pública como pretexto para uma expansão massiva da pegada federal em nosso vidas interpretam mal o mandato do presidente Biden. Como Benenson e outras autoridades eleitas como eu, que representaram círculos decisivos concorrentes, entendem instintivamente, as eleições são ganhas pelo centro, não pelas margens.

O presidente Biden venceu na campanha de 2020 muitos centristas, democratas moderados, republicanos persuasivos e independentes, dando um senso de maturidade para estabilizar e normalizar o funcionamento básico do governo após quatro anos de exaustivo caos Trump. Esses eleitores claramente preferem o incrementalismo à mudança fundamental.

Bombear um pacote de conciliação de guerrilha em grande escala não é o estilo de governo bipartidário que Biden prometia. Isso foi o que Bernie Sanders havia prometido, e sua candidatura foi rejeitada pelas primárias democratas para o Biden mais moderado.

Os eleitores indecisos recompensaram Biden e votaram nos candidatos republicanos em 2020 para testar, não permitir, os excessos da ala esquerda do Partido Democrata. Seria bom que os democratas adotassem o processo normal de aquisições (exigindo 60 votos do Senado) para suas prioridades de gastos, enquanto usam o processo de reconciliação da guerrilha (exigindo 51 votos do Senado) para suas prioridades fiscais como estão.

Independentemente da variante Delta, a demanda reprimida por bens e serviços desenvolve a economia e aumenta os preços. Conseqüentemente, não se sabe se a inflação resultante é temporária ou crônica. Com toda essa demanda e dinheiro em circulação, certamente parece ser a definição clássica de inflação: muito dinheiro perseguindo poucas mercadorias. Por que correr riscos desnecessários quando a economia está prestes a se recuperar organicamente? Os enormes e vertiginosos riscos políticos que os democratas correm não devem ser subestimados.

Se os democratas doarem este pacote de conciliação de guerrilha de US $ 3,5 trilhões, eles darão aos republicanos um grande presente que será usado em meados de 2022. A história não é boa para o partido do presidente em exercício durante as eleições legislativas de meio de mandato. Os democratas sabem de tudo isso, o que indica que eles acreditam que a maioria na Câmara está perdida, então por que não empurrar essa política progressista para o Congresso quando pode?

Enquanto os republicanos lutam com a ressaca de Trump e o trauma contínuo do levante de 6 de janeiro, você pensaria que os democratas se conteriam para evitar antagonizar os eleitores inconstantes que colocaram Biden na liderança em 2020.

Se você não acredita em mim, pergunte ao entrevistador perspicaz do presidente Obama.

Leave a Comment