Notícias Mundo

O reator nuclear chinês foi desligado para manutenção devido a danos na barra de combustível

A estatal China General Nuclear Power Group (CGN) afirmou em comunicado que houve “pequenos danos ao combustível” durante a operação, mas ainda “dentro dos limites permitidos pelas especificações técnicas”.

Ele acrescentou que “após discussões aprofundadas entre técnicos franceses e chineses, a Central Nuclear de Taishan decidiu fechar o primeiro reator de bloco para manutenção, investigar as causas dos danos ao combustível e substituir o combustível danificado”.

O comunicado enfatizou ainda que o reator está “seguro e sob controle”.

A CNN noticiou pela primeira vez em junho que a empresa francesa Framatome – apoiando as operações em Taishan – havia alertado sobre uma “ameaça radiológica iminente” na instalação, levando o governo dos Estados Unidos a investigar a possibilidade de um vazamento.

A Framatome é uma subsidiária da gigante energética francesa Electricite de France (EDF), que possui 30% do proprietário e operador da usina, Taishan Nuclear Power Joint Venture Co., Ltd, uma joint venture com a CGN.

O governo chinês respondeu em junho dizendo que os níveis de radiação ao redor da usina eram normais, acrescentando que “menos de 0,01 por cento” das mais de 60.000 barras de combustível no reator do Bloco 1 foram danificadas. O dano foi considerado “inevitável” devido a fatores que incluem a produção e o transporte do combustível.

Em julho, um porta-voz da EDF disse que a situação era “séria”, mas não de emergência.

Um porta-voz disse que se o reator fosse na França, a empresa já o teria fechado devido a “procedimentos e práticas para operar usinas nucleares na França”.

O porta-voz não instou diretamente a China a interromper as operações na fábrica, observando que foi uma decisão da CGN.

Leave a Comment