Notícias Mundo

A equipe de Havana causa medo e frustração entre os diplomatas com a reação do Departamento de Estado

Particularmente preocupante é a falta de informações dos líderes, incluindo o que alguns dizem ter sido uma abordagem do Secretário de Estado Tony Blinken, que ainda não encontrou nenhuma das vítimas do Departamento de Estado, embora tenha dito que priorizaria os incidentes.

O medo de uma doença misteriosa influencia as decisões de carreira dos diplomatas, dizem as fontes, e algumas autoridades estrangeiras optam por aceitar empregos que temem que possam se tornar o alvo de um fenômeno inexplicável que feriu centenas de autoridades americanas nos últimos anos.

Dois diplomatas que falaram à CNN optaram por não se candidatar a empregos em Berlim e Viena porque queriam evitar as cidades onde ouviram falar dos incidentes.

Diplomatas e fontes de inteligência que falaram à CNN disseram que queriam informações básicas, como o número de pessoas afetadas e a localização dos incidentes – dados que o Departamento de Estado costumava disponibilizar publicamente em coletivas de imprensa sobre os incidentes em Cuba e na China. Os diplomatas também estão considerando o que o departamento está fazendo para garantir que eles e suas famílias não sejam mandados de volta para prédios ou apartamentos onde foram relatados incidentes de saúde relatados anteriormente.

Algumas das vítimas afetadas por essa estranha síndrome também estão furiosas com a maneira como o departamento tratou seus casos.

“Na maior parte do tempo, não sabemos de nada além do que está na imprensa”, disse um diplomata americano. “As pessoas têm dificuldade em tomar decisões informadas sobre onde servir.”

A abordagem cautelosa é ainda mais evidente no caso de diplomatas com crianças.

Alcançando o equilíbrio certo

Funcionários do Departamento de Estado disseram à CNN que reconhecem a frustração e o medo entre os funcionários e que atualmente estão considerando maneiras de compartilhar mais informações com seus funcionários. As autoridades enfatizaram que estão trabalhando no equilíbrio certo: querem compartilhar mais detalhes para que os diplomatas possam tomar decisões informadas, especialmente relacionadas à sua segurança, mas também não querem exagerar na ameaça.

O departamento criou uma equipe de especialistas médicos para responder a relatórios de possíveis incidentes de saúde e ofereceu aos diplomatas exames médicos básicos para o caso de eles relatarem o incidente posteriormente.

Mas aqueles que não foram tocados – e temem as oportunidades – ainda se sentem deixados no escuro. A falta de informações básicas resultou em uma campanha sussurrada que se espalhou entre os oficiais do serviço estrangeiro tentando descobrir se um emprego era gratuito porque a pessoa que o tinha anteriormente mudou ou teve que tirar uma licença médica.

“Quando você vai para uma posição de alto risco, sabe que a segurança diplomática o manterá informado sobre quais são as ameaças e que eles tomarão todas as medidas possíveis para mitigá-las. Nesta situação, a ameaça não é clara e também não há mitigação, afirmou o outro diplomata.

A resposta de Blinken vai contra a do diretor da CIA Bill Burns, que, segundo fontes, estava ativamente envolvido no caso e se reuniu com funcionários da inteligência afetados pelos ataques. Blinken, que disse que priorizaria esses incidentes quando se tornasse o principal diplomata do país, planeja se encontrar com a coorte diplomática em questão em breve, disseram funcionários do Departamento de Estado.

A embaixadora Pamela Spratlen, oficial de serviço internacional profissional, supervisiona uma força-tarefa – a Força-Tarefa de Resposta a Incidentes de Saúde – criada em resposta à onda desses incidentes em Cuba e na China em 2018. Spratlen foi aposentada e contratada por Blinken no início deste ano, e ela se encontrou com alguns dos diplomatas envolvidos.

No geral, diplomatas americanos que falaram à CNN disseram estar preocupados com o impacto psicológico do fenômeno e se ele mostrou que quem estava por trás conseguiu atingir os objetivos de espalhar o medo e a confusão de uma forma que poderia eventualmente perturbar o estado. A capacidade do departamento de fazer seu trabalho.

Mas outros diplomatas experientes discordam e fogem da ideia de dispensar a correspondência nesses incidentes, que são raros e indefinidos. Eles também apontam que há muitos diplomatas americanos que ainda querem servir em países europeus que são posições desejáveis ​​para diplomatas profissionais.

Vítimas frustradas

Além dos diplomatas americanos preocupados com a defesa contra ameaças futuras, algumas vítimas também expressaram frustração com a forma como o Departamento de Estado as tratou durante o julgamento.

Uma das vítimas de uma série de incidentes ocorridos em 2018 em Guangzhou, China, afirmou que o Departamento de Estado se vingou dele por falar sobre seus sintomas persistentes. Mark Lenzi, membro do serviço diplomático de segurança, apresentou duas denúncias de denúncias, bem como várias denúncias formais de discriminação.

Os EUA estão investigando um segundo caso suspeito de uma

O impacto dos incidentes de saúde e a frustração de ser tratado pelo Departamento de Estado não são exclusivos de diplomatas experientes.

Lindsay Bryda, que trabalhou como estagiária no Consulado dos EUA em Guangzhou em 2018, disse à CNN que teve a primeira e única aquisição de sua vida depois de concluir seu estágio em julho de 2018.

Byrda diz que ficou sabendo de incidentes de saúde durante a primeira semana de seu estágio em maio de 2018, quando funcionários consulares convocaram uma reunião com todo o pessoal dos EUA para contar a eles sobre funcionários do consulado que desenvolveram sintomas semelhantes aos experimentados pela equipe diplomática em Havana desde 2016. Uma evacuação médica ocorreu, e Bryda só mais tarde descobriu que um oficial do serviço estrangeiro que morava em seu apartamento bem em frente dela havia se submetido a tratamento para sintomas consistentes com a síndrome de Havana, disse a CNN à CNN.

Bryda disse que foi então informada pelo diretor-geral do consulado que sua saúde poderia ser afetada e que ela deveria desocupar o apartamento que ficava localizado no complexo de apartamentos internacional de Edimburgo, em Guangzhou. Ela se lembrou de voltar de uma curta viagem a Pequim para encontrar uma linha policial em frente a sua porta.

Bryda, cujas experiências foram confirmadas por outro estagiário que trabalhava com ela na época, sofreu um ataque logo em seguida durante uma viagem para a Tailândia e diz que encaminhou o incidente ao Departamento de Estado. Ela foi informada de que seu caso havia sido incluído em relatórios internos de incidentes de saúde incomuns originados na China. Apesar de pressionar repetidamente a Força-Tarefa do Departamento de Estado por seus registros médicos, ela ainda não recebeu uma resposta.

Força-Tarefa do Departamento de Estado

Desde que assumiu o comando do departamento no início deste ano, Spratlen, junto com seus parceiros interagências, implementou uma série de novas medidas para apoiar os funcionários e investigar a causa raiz desses incidentes com mais eficácia.

Agora existe uma ferramenta interagências que foi construída para avaliar relatórios desses incidentes de diferentes agências em um só lugar. Isso foi especialmente bem-vindo para os investigadores que estão investigando o caso.

Embora o Departamento de Estado não tenha divulgado publicamente o número de novos incidentes, no início deste ano ele enviou um memorando instruindo os funcionários e seus familiares a relatar “imediatamente” quaisquer novos sintomas médicos que se encaixassem no padrão variado de “Havana”. Sintomas da síndrome.

“Esclarecemos que cada funcionário que relata um possível incidente de saúde inexplicável ou UHI tem o que precisa para obter cuidados e cuidados adequados e imediatos. Esses incidentes de saúde foram uma prioridade para o secretário Blinken desde seu primeiro dia, disse o porta-voz do Departamento de Estado, Ned Price, durante uma coletiva de imprensa.

No início deste mês, Spratlen e o secretário adjunto de Estado para Gestão e Recursos Brian McKoen reuniram a Prefeitura em Viena com diplomatas dos EUA para ouvi-los diretamente e explicar que este desafio está no topo da lista de prioridades do departamento, disseram as autoridades.

Mas Spratlen não está se reportando diretamente ao Blinken – algo que algumas fontes dizem mostra que o departamento não está levando o assunto tão alto quanto afirma.

O departamento lida com essa situação excepcional há cerca de cinco anos e foi recebido com críticas ao longo do caminho.

Um relatório desclassificado do Departamento de Estado de 2018, obtido pelo Projeto James Madison e publicado nos Arquivos de Segurança Nacional da Universidade George Washington, concluiu que a investigação inicial do departamento sobre a “Síndrome de Havana” “foi caracterizada por falta de alta administração, comunicação ineficaz, e desorganização sistêmica. “

Leave a Comment