Notícias Mundo

Navio de guerra alemão dirige-se ao Mar da China Meridional pela primeira vez em duas décadas em meio a tensões com Pequim

A China ocupa trechos do Mar da China Meridional e estabeleceu postos militares avançados em ilhas artificiais em águas contendo campos de gás e pescarias abundantes.

A Marinha dos Estados Unidos, ao demonstrar sua força contra as reivindicações territoriais chinesas, realiza regularmente as chamadas operações de “liberdade de navegação”, nas quais seus navios passam perto de algumas das ilhas em disputa. A China, por sua vez, se opõe às missões dos EUA, alegando que elas não estão ajudando a promover a paz ou a estabilidade.

Washington colocou o combate à China no centro de sua política de segurança nacional e está tentando unir parceiros contra o que considera a política externa e econômica cada vez mais coercitiva de Pequim.

Oficiais em Berlim disseram que a Marinha alemã manterá rotas comerciais comuns. A fragata também não deve cruzar o Estreito de Taiwan, outra atividade regular dos EUA condenada por Pequim.

No entanto, Berlim deixou claro que a missão era sublinhar o fato de que a Alemanha não aceitava as reivindicações territoriais da China.

A Alemanha está oscilando entre seus interesses de segurança e seus interesses econômicos, já que a China se tornou o parceiro comercial mais importante de Berlim. As exportações alemãs ajudaram a mitigar o impacto da pandemia Covid-19 na maior economia da Europa.

O ministro da Defesa alemão, Annegret Kramp-Karrenbauer, viajou ao porto de Wilhelmshaven para ver a fragata Bayern em uma viagem de sete meses que a levará à Austrália, Japão, Coréia do Sul e Vietnã.

O navio deve cruzar o Mar da China Meridional em meados de dezembro, tornando-se o primeiro navio de guerra alemão a passar pela região desde 2002.

“Queremos que as leis em vigor sejam respeitadas, as rotas marítimas sejam navegadas livremente, as sociedades abertas sejam protegidas e o comércio seja seguido por regras justas”, disse Kramp-Karrenbauer.

Países como Reino Unido, França, Japão, Austrália e Nova Zelândia também estão expandindo suas atividades no Pacífico para conter a influência chinesa.

Leave a Comment