Notícias Mundo

Fatos rápidos de Pervez Musharraf – CNN

Pai: Syed Musharraf Uddin, diplomata profissional

Mãe: Begum Zarin Musharraf

Casado: Sehba Musharraf (dezembro de 1968 – presente)

Crianças: Ayla; Bilal

Educação: Academia Militar do Paquistão, 1961; Academia Militar em Kakul, 1964

Religião: muçulmano

Linha do tempo

1947 – A família de Musharraf muda-se para o Paquistão à medida que a Índia britânica se divide em Índia e Paquistão. A família se estabelece em Karachi.

1949-1956 Ele passou sua infância na Turquia devido à designação de seu pai para Ancara.

1964 – Ele é um segundo-tenente em um regimento de artilharia do exército paquistanês.

1965 Recebe Imtiazi Sanad (medalha) por bravura durante a guerra entre a Índia e o Paquistão em 1965.

1971Ele é um comandante de companhia em um batalhão de comando durante a guerra indo-paquistanesa.

1991 Ele é promovido ao posto de Major General.

7 de outubro de 1998 Ele é nomeado chefe do Estado-Maior do Exército com a patente de general.

9 de abril de 1999 Nomeado presidente do Estado-Maior Conjunto.

12 de outubro de 1999 Ele dá um golpe de Estado contra o primeiro-ministro Nawaz Sharif e se torna o chefe do governo. O Sharif já havia demitido Musharraf após a fracassada invasão do exército a Kargil na Caxemira controlada pela Índia.
20 de junho de 2001 – Ele é nomeado presidente do Paquistão, embora permaneça chefe do exército.

30 de abril de 2002 Há um referendo sobre se Musharraf permanecerá no cargo nos próximos cinco anos; passa por uma ampla margem.

Agosto de 2002 Implementa 29 emendas à constituição, dando a si mesmo o poder de dissolver o parlamento e demitir o primeiro-ministro.

14 e 25 de dezembro de 2003 Duas tentativas de matar Musharraf fracassam.

1 ° de janeiro de 2004 – Um voto de confiança no parlamento permite que Musharraf permaneça no poder até 2007. Ele ganha os votos de que precisa, prometendo deixar o cargo de chefe do Exército no final de 2004.

25 de setembro de 2006 É publicada a autobiografia de Musharraf “In the Line of Fire”.

6 de outubro de 2007 – O número não oficial de votos indica que Musharraf venceu por avassaladora nas eleições presidenciais. Vários parlamentares boicotaram a votação em ambas as casas.

3 de novembro de 2007 O presidente Musharraf declara estado de emergência no Paquistão. Suspende a constituição do país, adia as eleições em janeiro de 2008 e impõe restrições à mídia. Autoridades do governo prendem 1.500 pessoas que protestavam contra o estado de emergência.

28 de novembro de 2007 Ele está renunciando ao cargo de comandante do exército paquistanês na véspera de seu juramento como presidente.

29 de novembro de 2007 Ele faz o juramento presidencial pela terceira vez.

15 de dezembro de 2007O estado de emergência foi levantado.

18 de fevereiro de 2008 Nas eleições parlamentares, o partido de Musharraf, a Liga Muçulmana do Paquistão-Q, vem em terceiro lugar na votação, atrás do PPP, o partido do falecido Benazir Bhutto e da Liga Muçulmana do Paquistão-N, o partido do ex-primeiro-ministro Nawaz Sharif.

18 de agosto de 2008 – Anuncia a renúncia do Presidente do Paquistão.

31 de julho de 2009 A Suprema Corte do Paquistão determina que Musharraf violou a constituição ao declarar ilegalmente o estado de emergência em 3 de novembro de 2007. A corte lhe dá sete dias para comparecer e se defender.

6 de agosto de 2009 Ele se recusa a responder às acusações contra ele e foge do Paquistão para a Grã-Bretanha.

11 de agosto de 2009 Autoridades paquistanesas anunciam que Musharraf poderá ser preso se retornar ao Paquistão.

1 de outubro de 2010 – Estabelece um novo partido político, “All Pakistan Muslim League”.

12 de fevereiro de 2011 O mandado de prisão de Musharraf foi emitido por um tribunal do Paquistão em conexão com o assassinato do ex-primeiro-ministro Bhutto.

24 de maio de 2011 Em entrevista à CNN Piers Morgan Tonight, Musharraf denuncia a operação que matou Osama bin Laden no Paquistão. Ele diz: “Nenhum país tem o direito de se intrometer em outro país … Na verdade, tecnicamente, se você vê isso legalmente, é um ato de guerra.”

16 de março de 2013Musharraf anuncia planos de retornar ao Paquistão para liderar seu partido nas próximas eleições.

23 de março de 2013 – O Taleban paquistanês afirma que vai matar Musharraf se ele retornar ao país.

24 de março de 2013 – Musharraf retorna ao Paquistão após quatro anos no exílio. Antes de vir para o Paquistão, ele é libertado sob fiança e, portanto, não é preso ao retornar.

18 de abril de 2013 – Um tribunal paquistanês rejeitou o pedido de fiança de Musharraf e ordenou que ele fosse preso em um caso de detenção em 2007. A mídia paquistanesa relata que Musharraf foi colocado em prisão domiciliar.
20 de agosto de 2013 – Um tribunal paquistanês acusa Musharraf do assassinato de Bhutto.
31 de março de 2014 – Um tribunal especial no Paquistão acusa Musharraf de alta traição.

3 de abril de 2014 – A bomba explode minutos depois que o comboio de Musharraf passa por um cruzamento em Islamabad, enquanto é transportado de um hospital militar para casa. A polícia paquistanesa diz que é um ataque a Musharraf. Ninguém está ferido.

18 de janeiro de 2016 – Musharraf e dois outros ex-oficiais são absolvidos por um tribunal antiterrorista pelo assassinato de Nawab Akbar Khan Bugti, o líder nacionalista de Baloch.
11 de fevereiro de 2016 – Sem fôlego, Musharraf é levado ao Hospital de Navios da Marinha Shifa, no Paquistão, para exames. Segundo a porta-voz, ele está sendo tratado por complicações relacionadas a doenças cardíacas.

16 de março de 2016 – A Suprema Corte do Paquistão suspende a proibição de viagens de Musharraf, permitindo-lhe deixar o país enquanto aguarda julgamento por alta traição. Dois dias depois, Musharraf deixa o Paquistão para procurar atendimento médico em Dubai.

31 de agosto de 2017 – Um tribunal paquistanês chama Musharraf de fugitivo do assassinato de Bhutto. Musharraf vive em exílio voluntário em Dubai desde 2016.
17 de dezembro de 2019 – Musharraf é condenado à morte à revelia depois que um tribunal especial triplo em Islamabad o condenou por violar a constituição ao declarar ilegalmente o estado de emergência enquanto estava no poder.
13 de janeiro de 2020 – A Suprema Corte de Lahore, do Paquistão, anula a sentença de morte de Musharraf. Musharraf, que vive em exílio voluntário em Dubai desde 2016, está livre para retornar ao Paquistão.

Leave a Comment