Notícias Mundo

Assim como o Facebook, o Twitter está lidando com uma aquisição do Taleban

Na terça-feira, o Facebook (pensão completa) reiterou a proibição de postar contas elogiando, apoiando ou representando o Taleban em suas plataformas, incluindo WhatsApp e Instagram, e disse que removeria “contas administradas por ou em nome do Talibã”.

“O Taleban foi sancionado como organização terrorista pela lei dos EUA e nós os proibimos de usar nossos serviços de acordo com nossa política de organizações perigosas”, disse um porta-voz da empresa.

O Facebook divide as ‘organizações perigosas’ em três camadas, sendo a primeira camada a ‘mais aplicada’. Entidades de nível 1 incluem terroristas, organizações criminosas e de ódio.
Embora o Taleban tenha sido banido das plataformas do Facebook “por anos”, a empresa não revelou exatamente quando as restrições foram impostas.

A empresa disse que emprega “uma equipe dedicada de especialistas afegãos que são usuários nativos de dari e pashto com conhecimento do contexto local” para identificar “problemas emergentes”.

“Independentemente de quem está na autoridade, tomaremos as medidas adequadas contra contas e conteúdo que violem nossas políticas”, disse o Facebook.

No domingo, os combatentes do Taleban retomaram a capital do Afeganistão quase duas décadas depois de serem expulsos de Cabul pelas tropas americanas. Desde então, dezenas de civis tentou fugir do país, cenas caóticas se desenrolaram no Aeroporto Internacional Hamid Karzai, em Cabul, na segunda-feira.

O Taleban não foi oficialmente reconhecido pelos Estados Unidos como uma Organização Terrorista Estrangeira. No entanto, o grupo foi colocado na lista de “Terroristas Globais Especialmente Designados” do Departamento do Tesouro dos Estados Unidos e na lista de Nacionais Especialmente Designados.

A proibição também se aplica a usuários pertencentes ao Facebook Instagram e WhatsApp, que pesquisa conteúdo não criptografado – como nomes, fotos de perfil e descrições de grupos – para identificar o Taleban e seus apoiadores. Um porta-voz do WhatsApp não comentou o que está acontecendo com o conteúdo relacionado ao Talibã, que, como todas as mensagens da plataforma, é criptografado por padrão no aplicativo de mensagens.
Embora virtualmente não houvesse computadores no país em 2001, quando o Talibã foi removido do poder, Nos últimos 20 anos, os afegãos se acostumaram lentamente à era digital. Quando o governo entrou em colapso no fim de semana, apareceram postagens nas redes sociais – de cidadãos e políticos – documentando o caos.
E há a preocupação de que o Afeganistão seja enviado de volta à “era das trevas” da dominação do Taleban. O retorno ao poder é uma perspectiva aterrorizante para as mulheres. Quando eles governaram pela última vez, as mulheres não podiam ir à escola. Eles foram embrulhados em burcas, condenados a viver em casa e vistos como coisas masculinas.
Desta vez, o Taleban promete criar um “governo islâmico afegão e inclusivo” e permitir que as meninas estudem. Mas ainda não está claro se a nova liderança será assumida por mulheres, e há uma profunda desconfiança dos militantes que causaram tal infortúnio durante o último governo do Afeganistão.

Enquanto isso, outras grandes plataformas de mídia social tornaram sua estratégia de lidar com conteúdo de apoio ao Taleban menos clara.

Um porta-voz do Twitter disse que as pessoas no Afeganistão estão usando a plataforma para buscar ajuda, e a empresa prometeu “permanecer vigilante” na aplicação de suas políticas, incluindo aquelas que proíbem conteúdo que glorifica a violência.

Um dos porta-vozes do Talibã, Suhail Shaheen, tem uma conta ativa no Twitter não verificada com 347.000 seguidores.
De acordo com o YouTube, o conteúdo que promove grupos militantes violentos não é permitido em sua plataforma. isto Google (GOOGLE)de propriedade da empresa depende de governos para definir organizações terroristas estrangeiras e direcionar sua aplicação.

Leave a Comment