Notícias Mundo

A China agora quer dizer aos influenciadores como falar e se vestir ao transmitir ao vivo

O Ministério do Comércio da China divulgou na quarta-feira uma proposta de “padrão da indústria” para streamers que vendem produtos em plataformas de compras online. As regras incluem detalhes de como os apresentadores de tais programas devem se vestir ou falar na frente das câmeras, bem como diretrizes sobre como as plataformas devem permitir que os consumidores publiquem avaliações dos apresentadores ou dos produtos que vendem. Essas análises também devem ser tornadas públicas, disse o ministro.

“Quando um apresentador é transmitido ao vivo, seu vestido e imagem não devem violar a ordem pública ou a decência”, escreveu o ministério, acrescentando que “sua aparência também deve refletir as características dos produtos ou serviços que anunciam”.

As regulamentações visam “criar um bom ambiente de comércio eletrônico para os consumidores”, disse o ministro.

As regras também sugerem que dirige “fala mandarim durante a transmissão” e é “objetivo e honesto” sobre os produtos que está tentando vender.

Se os hosts estão se comportando de forma ilegal, eles devem ser avisados ​​ou punidos pela plataforma de e-commerce – tráfego que pode incluir restringir seu tráfego, suspendê-lo ou até mesmo colocá-lo na lista negra e excluir suas contas, acrescentou o ministério.

O regulador consulta o público sobre os regulamentos até 2 de setembro.

As ações de Hong Kong caíram na quinta-feira após a divulgação das regras.

Ações em Alibaba (MULHER), que opera o Taobao Live – a maior plataforma de compra de transmissões ao vivo da China – caiu mais de 5% em Hong Kong, seu nível mais baixo desde a sua listagem em novembro de 2019. As ações da gigante de tecnologia caíram quase pela metade desde o pico no final de outubro, pouco antes do IPO para sua afiliada financeira, Ant Group, foi retirada.
Kuaishou, o segundo maior aplicativo de vídeo curto e plataforma de e-commerce ao vivo da China, caiu cerca de 7%, também atingindo seu nível mais baixo desde a cotação de fevereiro. As ações caíram quase 80% este ano.

Desde o final do ano passado, Pequim emitiu uma série de leis que afetam setores que vão desde tecnologia a aulas particulares. O governo culpa o setor privado por criar uma série de problemas socioeconômicos que podem desestabilizar a sociedade.

Pequim sinalizou que continuará a haver uma abordagem dura para os grandes negócios. Os principais líderes do Partido Comunista no poder desenvolveram recentemente um plano para aumentar a supervisão regulatória das empresas nos próximos cinco anos. As autoridades estão empenhadas em fortalecer as regras da economia digital, finanças online e big data.

Leave a Comment