Novas

Irmão de Shireen Abu Akleh critica as ações brutais da polícia israelense em seu funeral

“Eles poderiam facilmente bloquear a estrada se não quisessem que o funeral saísse do hospital, mas o ataque foi deliberado e brutal”, disse Tony Abu Akleh à CNN.

Falando em S. Joseph em Jerusalém Oriental, onde a procissão fúnebre de sexta-feira começou, disse que havia falado com a polícia israelense antes do evento.

“A polícia me ligou e me pediu para ir à delegacia e eles queriam saber o trajeto do cortejo e os preparativos para o funeral. Eles nos pediram para não levantar bandeiras palestinas, sem slogans ou escândalos. Não quero ouvir, disse Abu Akleh.

“E eles queriam saber o número de participantes no cortejo fúnebre. Eu disse a eles que não posso prometer nada, não tenho números e não posso controlar a multidão. Este funeral é um funeral nacional para todos assistirem. E foi isso que vimos”, acrescentou.

Em um comunicado na segunda-feira, o hospital condenou “a brutal incursão da polícia israelense”.

St. Joseph chamou esses eventos de “uma séria violação das normas e regulamentos internacionais”.

“Nós, bispos e fiéis das igrejas cristãs da Terra Santa, condenamos a violenta incursão da polícia israelense no cortejo fúnebre do jornalista morto Shireen Abu Akleh, que viajava de St. José à Igreja Grega – Catedral em Melkita”, lemos no comunicado.

“A invasão da polícia israelense e o uso desproporcional da força, atacando os enlutados, batendo neles com paus, usando granadas de fumaça, disparando balas de borracha, assustando pacientes de hospitais é uma grave violação dos padrões e regulamentos internacionais”, acrescentou o comunicado.

Polícia de fronteira israelense fotografada em um funeral na sexta-feira.

“A polícia atacou impensadamente a santidade do local e do campus do hospital e do funeral, sabendo que St. Joseph está sob os auspícios do Vaticano e é protegido pelo governo francês”, acrescentou.

O vídeo de câmeras de vigilância disponibilizado pelo hospital na segunda-feira mostra cerca de uma dúzia de policiais entrando no prédio do hospital com seus cassetetes em punho e se movendo agressivamente pelos corredores. A CNN pediu à polícia israelense que respondesse às alegações de St. Joseph.

Polícia israelense vai investigar os

O ministro da Segurança Pública de Israel, Omer Bar-Lev, disse à CNN no sábado que a polícia “agiu para permitir o cortejo fúnebre da jornalista Shireen Abu Akleh de maneira ordenada, em coordenação com sua família e com uma compreensão clara da sensibilidade e complexidade do evento.

Ele acrescentou que “durante o funeral, houve graves eventos violentos por parte dos participantes que pioraram a situação na terra”.

As autoridades israelenses disseram que investigariam o incidente e a polícia twittou: “A polícia israelense apoia seus policiais, mas como uma organização profissional que tenta aprender e melhorar, eles também aprenderão com o incidente”.

Abu Akleh, 51, foi morto a tiros em Jenin na quarta-feira. As autoridades palestinas e israelenses estão investigando o assassinato separadamente. A Al Jazeera acusou Israel de matar deliberadamente um jornalista veterano.

Kareem Khadder da CNN relatou de Jerusalém e Celine Alkhaldi de Amã, Jordânia.

Leave a Comment