Novas

Polícia do Chade lança gás lacrimogêneo para dissipar protestos contra a França

O protesto foi convocado pela coalizão da sociedade civil do Chade Wakit Tamma para condenar o apoio da França ao Conselho Militar Provisório, que assumiu o poder após a morte do presidente Idriss Deby no campo de batalha em abril de 2021, disse um porta-voz.

O filho de Deby, Mahamat Idriss, está liderando uma transformação militar que ainda não foi planejada para o retorno ao regime constitucional.

“Estamos nos manifestando contra a França por apoiar um conselho militar interino”, disse Mahmoud Moussa, professor do ensino médio da capital do Chade que se juntou ao protesto.

Um porta-voz do governo interino não pôde obter comentários.

Os manifestantes vandalizaram vários postos de gasolina em N’djamena operados pela petrolífera francesa TotalEnergies (TTEF.PA). De acordo com um repórter da Reuters, alguns incendiaram bandeiras francesas enquanto a bandeira russa estava pendurada no mastro no centro de N’djamena.

À medida que a influência da França diminui em suas ex-colônias, protestos recentes em países como Mali, Burkina Faso e Níger exigiram laços militares mais estreitos com a Rússia em vez da França.

O Chade é visto como um forte aliado do Ocidente na luta contra os combatentes islâmicos na região. Várias nações ocidentais, incluindo a França, mantêm tropas em bases domésticas.

A capital do Chade é a sede central da operação antiterrorista francesa na região da África Ocidental. Cerca de 1.000 soldados franceses estão estacionados lá.

A embaixada francesa em N’Djamena não estava imediatamente disponível para comentar o protesto.

A embaixada negou na semana passada rumores de que a França estava planejando instalar novas bases militares francesas no Chade, chamando-o de tentativa de desinformação.

Leave a Comment