Novas

Alemanha quer buscar projetos de gás com Senegal, diz Scholz na primeira turnê africana

Scholz iniciou uma viagem de três dias no Senegal, que tem bilhões de metros cúbicos de reservas de gás e deve se tornar o principal produtor de gás da região.

Após a invasão da Ucrânia pelo Kremlin, a Alemanha está buscando reduzir sua forte dependência da Rússia para o fornecimento de gás. Ele iniciou conversações com as autoridades senegalesas sobre extração de gás e gás natural liquefeito, disse Scholz.

“É uma questão que vale a pena perseguir intensamente”, disse ele em entrevista coletiva com o presidente senegalês Macky Sall, acrescentando que o progresso nas negociações é do interesse comum de ambos os países.

Scholz disse que a Alemanha também está interessada em projetos de energia renovável senegaleses. Ele não forneceu mais detalhes.

Na sexta-feira, um representante do governo alemão disse que a Alemanha poderia ajudar a estudar um campo de gás no Senegal.

Sall disse que o Senegal está pronto para trabalhar para abastecer o mercado europeu com GNL. Ele previu que a produção de GNL do Senegal atingirá 2,5 milhões de toneladas no próximo ano e 10 milhões de toneladas até 2030.

Quando se trata de exploração de gás, financiamento de projetos e outras questões, “o que estiver em aberto, estamos felizes em trabalhar com a Alemanha neste contexto”, disse Sall.

A guerra na Ucrânia

A Alemanha convidou o Senegal, que atualmente ocupa a presidência rotativa da União Africana, e a África do Sul para participar da cúpula do G7 que está organizando em junho como nações convidadas.

Ambos os países se abstiveram de votar na resolução da ONU contra a invasão russa da Ucrânia, que Moscou chama de operação militar especial para desmilitarizar um vizinho que acredita ter ameaçado sua segurança.

A Ucrânia e seus aliados argumentam que a guerra é um ato de agressão não provocado.

Análise: Por que alguns países africanos pensam duas vezes sobre o apelo de Putin

S.
Sall, que chegou ao topo como presidente da União Africana, disse que muitos países africanos não queriam ficar do lado de nenhum dos lados da guerra enquanto condenavam a invasão.

“Nós claramente queremos a paz”, disse ele, “estamos trabalhando pela desescalada, estamos trabalhando por um cessar-fogo, pelo diálogo… essa é a posição da África”.

Sal disse que visitará Moscou e Kiev nas próximas semanas.

O conflito na Ucrânia, um grande fornecedor de grãos e alimentos, causou uma interrupção no fornecimento que elevou os preços dos alimentos e da energia na África.

“Expressei nossa grave preocupação ao chanceler Scholz sobre os efeitos da guerra”, disse Sall, pedindo assistência internacional para mitigar os efeitos nos países africanos.

Scholz viajará para o Níger no final do domingo, de onde voará para Joanesburgo na noite de segunda-feira para a etapa final da turnê.

Leave a Comment