Novas

Como os Emirados Árabes Unidos passaram de boicotar Israel para investir bilhões em sua economia?

Aqui está o que você precisa saber sobre o pacto e comércio dos Emirados Árabes Unidos-Israel:

O que há no pacto?

As tarifas serão aumentadas ou reduzidas em 96% dos bens comercializados internacionalmente, incluindo alimentos, remédios, diamantes, joias, fertilizantes e outros produtos químicos.

A maioria dos direitos seria levantada imediatamente e outras seriam levantadas dentro de cinco anos. Aqueles projetos que estarão sujeitos a tarifas serão cobrados a taxa mais baixa.

O que uma reunião em Israel diz sobre a mudança da ordem mundial?

Dorian Barak, co-presidente do Conselho Empresarial UAE-Israel, espera que até o final do ano cerca de 1.000 empresas de propriedade israelense estarão operando nos Emirados Árabes Unidos até o final do ano, incluindo subsidiárias israelenses, escritórios de representação, operações de vendas, distribuições e novos empreendimentos.

O que cada lado ganha com a negociação?

Pesquisa de Paul Rivlin, economista da Universidade de Tel Aviv, mostra que o valor das importações israelenses dos Emirados Árabes Unidos no ano passado foi mais que o dobro do valor das exportações, mas outros especialistas dizem que Israel pode ganhar significativamente mais com o comércio com os Emirados Árabes Unidos futuro.

As exportações dos Emirados Árabes Unidos para Israel devem crescer 0,5% até 2030, segundo a agência de notícias estatal dos Emirados, WAM, e o TLC impulsionaria a economia do país em US$ 1,9 bilhão em cinco anos.

Os Emirados Árabes Unidos querem pessoas de alta renda, turistas, empreendedores, start-ups e tecnologia de ponta, diz Robert Mogielnicki, cientista sênior do Instituto Árabe dos Estados do Golfo em Washington, mas “Israel provavelmente se beneficiará mais diretamente. eles apenas têm muito mais a ganhar do que os Emirados.’

Os Emirados Árabes Unidos verão um influxo de empresas israelenses que desejam estabelecer sedes regionais, a partir das quais direcionarão suas operações para o Oriente Médio, Sul da Ásia e Extremo Oriente, diz Barak.

Dado o status de Dubai como um centro regional de exportação, o comércio com os Emirados Árabes Unidos abre os produtos israelenses para um mercado mais amplo?

Os israelenses olham para Dubai como um centro a partir do qual podem se envolver com o Oriente Médio, o subcontinente indiano e o Extremo Oriente, diz Barak. “Seria um avanço para os negócios israelenses na região.”

Ele diz que os Emirados Árabes Unidos devem se tornar o principal mercado regional de exportação e reexportação de produtos israelenses. “Agora espero que você veja produtos israelenses aparecendo nas prateleiras das lojas e fábricas” em toda a região.

Mogielnicki diz, no entanto, que Israel é um jogador controverso na região, então negociar com os Emirados Árabes Unidos lhe daria um pé para um mercado regional inexplorado, mas não um “passe VIP”.

A lua de mel nos Emirados Árabes Unidos e Israel foi além da normalização

Já existem interesses entre empresas israelenses e empresas estatais e privadas no Golfo, diz Karen Young, pesquisadora sênior do Middle East Institute em Washington, DC. Um acordo comercial “ajudaria os recém-chegados a se sentirem mais à vontade e incentivaria mais comércio e investimentos diretos”.

Veremos então produtos israelenses nas prateleiras sauditas?

A Arábia Saudita é a maior economia árabe e o acesso ao seu mercado é desejável. O Reino reconhece o impacto, dizem os especialistas, e mostrou em julho passado, quando excluiu produtos israelenses exportados dos Emirados Árabes Unidos de concessões tarifárias preferenciais sob acordos com outros países do Golfo.

“A Arábia Saudita não entregará apenas seu mercado aos israelenses via Dubai”, disse Mogielnicki. “Os sauditas vão querer algo grande em troca de acesso ao maior mercado do Golfo Pérsico.”

Os países do Golfo Pérsico com os quais os Emirados Árabes Unidos têm acordos de livre comércio respondem por grande parte das exportações e reexportações de Dubai.

O que isso significa para o boicote árabe a Israel?

“O boicote árabe enfraqueceu por muitos anos e o Acordo de Livre Comércio Israel-EAU é o prego no caixão”, diz Rivlin.

O comércio com os Emirados Árabes Unidos pode não acabar com o boicote árabe a Israel, diz Barak, mas o torna “irrelevante do ponto de vista comercial”.

Atalho

A Turquia convida você a visitar o príncipe herdeiro saudita

O ministro das Relações Exteriores da Turquia, Mevlut Cavusoglu, disse na terça-feira que Ancara e Riad estavam concordando com uma visita do príncipe saudita Mohammed bin Salman à Turquia, mas uma data ainda não foi definida.

  • Fundo: Os laços entre rivais regionais ficaram tensos depois que uma milícia saudita matou o jornalista saudita Jamal Khashoggi no consulado do reino em Istambul em 2018. Cavusoglu disse que a visita do príncipe Mohamed estava inicialmente marcada para este mês, acrescentando que os esforços para normalizar os laços tensos com Riad foram rápidos.
  • Por que isso é importante: A potencial visita de um príncipe saudita seguiria a viagem do presidente turco Recep Tayyip Erdogan à Arábia Saudita em abril, marcando o fim das tensões entre eles, enquanto a Turquia procura maneiras de fortalecer sua economia após a crise econômica.

Grupo Wagner da Rússia está ligado a minas terrestres e minas na Líbia, diz Human Rights Watch

O Grupo Wagner da Rússia foi associado ao uso de minas terrestres e armadilhas proibidas na Líbia em 2019-2020, informou a Human Rights Watch na terça-feira.
  • FundoDe acordo com a Human Rights Watch e as Nações Unidas, uma empresa privada de segurança militar, o Grupo Wagner já esteve ligado aos combates na Líbia, supostamente apoiando o comandante oriental Khalifa Haftar e seu Exército Nacional da Líbia durante os ataques de 2019-2020 na capital líbia. . perícia. Os resultados mostraram que minas terrestres assassinas impediram os cidadãos de voltar para casa após a guerra. A Human Rights Watch pediu uma “investigação internacional confiável e transparente” que traria justiça para aqueles “ilegalmente mortos e mutilados por essas armas”.
  • Por que é importante: Os Estados Unidos designaram esse grupo como a “força de procuração” da Rússia que opera há anos no Oriente Médio e na África. Em março, a inteligência britânica informou que Wagner havia sido destacado para o leste da Ucrânia um mês após a invasão russa. O Kremlin nega qualquer ligação com o grupo.

O ministro das Relações Exteriores da Rússia se reúne com seus colegas do Golfo antes da reunião da Opep +

O ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, se reuniu em Riad na quarta-feira com os ministros das Relações Exteriores do Conselho de Cooperação do Golfo, antes da reunião dos países exportadores de petróleo para decidir sobre a produção.

  • Fundo: Lavrov se reuniu com seu colega saudita mais cedo e os dois senhores elogiaram o nível de cooperação dentro da Opep +, disse o Ministério das Relações Exteriores da Rússia. A aliança decidirá na quinta-feira se continuará o modesto aumento na produção de petróleo.
  • Por que isso é importante: As reuniões de Lavrov ocorreram logo após a União Européia concordar com cortes significativos nas importações de petróleo russo como parte das recentes sanções relacionadas à invasão da Ucrânia por Moscou. Os países ocidentais pediram aos produtores de petróleo que aumentem a produção para conter a inflação global e ajudar a conter o esforço de guerra da Rússia.

O que assistir

O CEO da Qatar Airways conversa com Becky Anderson sobre os planos do país de operar mais de 160 voos diários para os telespectadores da região na Copa do Mundo de 2022.

Assista a entrevista aqui:

Na região

O livro sobre os papéis de gênero na Líbia ganhou um prestigioso prêmio de ficção árabe, mas também provocou certa oposição ao autor.

Mohammed Alnaas, 31, no final do mês passado se tornou o primeiro autor líbio e o autor mais jovem a ganhar o Prêmio Internacional de Ficção Árabe (IPAF) por seu romance de estreia, “Pão na mesa do tio Milad”.

O livro explora os papéis de gênero e desafia as ideias tradicionais de masculinidade. A ação se passa em uma vila remota na Líbia, cuja ação ocorre em torno do personagem principal, Milad. Após o noivado, a vida familiar de Milad torna-se um tema de toda a cidade enquanto ele desenvolve sua paixão por assar pão enquanto sua noiva, Zeinab, trabalha para manter a casa.

Ao ouvir sobre os rumores, Milad desafia publicamente ideias arraigadas sobre gênero.

“O homem líbio é uma vítima dos direitos tradicionais, assim como a mulher líbia, e enquanto a luta das mulheres com os direitos sociais e tradicionais é clara, os homens não são”, disse Alnaas à CNN. “[Men] eles estão em sua própria armadilha porque sempre têm que provar às pessoas que são homens, homens durões, homens fortes. Tornam-se escravos dessa imagem de homem ideal e tornam-se máquinas na ordem social”.

A vitória foi comemorada pelos líbios nas redes sociais, mas o livro também gerou polêmica. Alnaas lamenta a “campanha” sobre a ética do livro lançada nas redes sociais, lembrando que alguns dos que o felicitaram apagaram as suas publicações.

Sob o ex-líder líbio Moammar Gaddafi, a censura estatal estrangulou a literatura. Livros que não atendessem à linha oficial – conforme descrito no infame “Livro Verde” de Gaddafi – foram proibidos.

A revolta de 2011 abriu as portas para o consumo de livros antes proibidos, mas as leis da época de Gaddafi ainda são usadas para restringir a liberdade de expressão.

Descrevendo sua visão do atual cenário literário líbio, Alnaas disse à CNN que “luta, mas luta”.

O IPAF, patrocinado pelo Abu Dhabi Arabic Language Center, é considerado o prêmio literário de maior prestígio no mundo árabe. O livro de Alnaas será traduzido para o inglês.

por Nicholas Pearce

Cápsula do tempo

Adolf Eichmann está em sua gaiola à prova de balas para ouvir a Suprema Corte de Israel rejeitar por unanimidade um recurso contra a sentença de morte em Jerusalém em 29 de maio de 1962.

Adolf Eichmann, um dos arquitetos da “solução final” da Alemanha nazista, foi executado há 60 anos em Israel nesta semana.

Nascido na Alemanha em 1906, ingressou na organização de elite da SS dos nazistas em 1932 e foi rapidamente promovido. Dez anos depois, ele realizou um plano para exterminar todos os judeus europeus em uma operação apelidada de “Solução Final para a Questão Judaica”.

Eichmann foi responsável por identificar, reunir e transportar milhões de judeus durante a Segunda Guerra Mundial. Após a derrota da Alemanha, ele foi capturado pelas forças americanas, mas escapou em 1946 antes de ser levado a julgamento. Ele se escondeu na Argentina até 1960, quando foi capturado por agentes israelenses em Buenos Aires como parte da chamada “Operação Final”.

Eichmann foi contrabandeado pelos israelenses para ser julgado em Jerusalém. Em dezembro de 1961, Eichmann foi considerado culpado de todas as acusações e, em 1º de junho de 1962, foi enforcado em Tel Aviv.

Mohammed Abdelbary

Leave a Comment