Novas

Coreia do Norte assume cargo de presidente do desarmamento da ONU em meio a críticas

Este ano, a Coreia do Norte testou uma avalanche de mísseis balísticos – também proibidos pelas resoluções do Conselho de Segurança da ONU – e parece estar se preparando para realizar um novo teste nuclear pela primeira vez desde 2017.

Ganhou a presidência da Conferência de Desarmamento, uma vez que gira em ordem alfabética entre 65 membros.

“A RPDC continua comprometida em contribuir para a paz e o desarmamento globais e atribui importância ao trabalho da conferência”, disse o embaixador Han Tae Song em uma reunião em Genebra, dizendo que é “uma honra e um privilégio” cumprir esse papel.

O estado com armas nucleares disparou vários mísseis na semana passada, um dos quais acredita-se ser o maior ICBM.

Enviados ocidentais se revezaram na condenação das ações de Pyongyang na quinta-feira, e a Austrália as descreveu como “desestabilizadoras”.

No entanto, testemunhas disseram que não atenderam ao pedido de retirada da reunião solicitado por dezenas de ONGs. Em vez disso, algumas missões diplomáticas enviaram representantes de nível inferior do que os embaixadores normalmente esperados.

China e Rússia vetarão novas sanções da ONU contra a Coreia do Norte pela primeira vez desde 2006

A reação geral do público foi percebida pelos observadores como branda em comparação com a resposta à presidência síria no mesmo órgão em 2018. Nesta reunião, o Canadá leu depoimentos de sobreviventes sírios de um ataque químico em protesto.

Hillel Neuer, diretor executivo da UN Watch, que monitora as atividades da autoridade global, disse que a presidência norte-coreana “minará seriamente a imagem e a credibilidade das Nações Unidas”.

As expectativas para esta série de reuniões durante a presidência de Pyongyang eram baixas de qualquer maneira. A Conferência de Desarmamento – o único fórum multilateral do mundo para o desarmamento – não chegou a um acordo desde o Tratado de Proibição Completa de Testes Nucleares em 1996.

“Isso só pode sublinhar a irrelevância do CD no contexto atual”, disse Marc Finaud, especialista do Centro de Políticas de Segurança em Genebra, sobre o papel da Coreia do Norte.

Leave a Comment