Notícias Mundo

Liverpool perde sua entrada na lista do Patrimônio Mundial da UNESCO

(CNN) – Famosa por suas docas, os Beatles e dois times de futebol mundialmente famosos, agora o Liverpool está experimentando uma notoriedade diferente.

Uma cidade portuária no noroeste da Inglaterra – que construiu uma parte significativa de sua fortuna com a escravidão – foi despojada de seu cobiçado status de Patrimônio Mundial da UNESCO depois que um comitê global decidiu que os novos empreendimentos na cidade haviam cobrado muito de seu histórico tecido.

A decisão foi tomada pelo Comitê do Patrimônio Mundial da UNESCO, que atualmente está sediado em Fuzhou, China.

Anteriormente, Liverpool era um dos 53 Patrimônios Mundiais da UNESCO em Perigo – uma espécie de lista de vigilância que permite às autoridades buscar soluções globais para preservar o patrimônio em perigo.

Está na Lista de Ameaçadas desde 2012 e foi declarado Patrimônio Mundial pela primeira vez em 2004 – um status concedido a outros destinos turísticos importantes, incluindo Machu Picchu no Peru, as Pirâmides de Gizé no Egito e a Acrópole Grega.

A UNESCO disse em nota que a cidade foi “riscada” da lista “devido à perda irrecuperável de atributos que carregam Valor Universal Excepcional para a propriedade”. .

Ele chamou o desenvolvimento de Liverpool Waters – a revitalização de décadas das famosas docas da cidade – “prejudicial à autenticidade e integridade do local”.

A proposta de investimento – incluindo apartamentos, escritórios, lojas e hotéis no antigo cais – foi responsável pela inclusão do Liverpool na lista de risco de 2012.

Mas os moradores locais dizem que também foi um projeto importante para empregos locais.

O novo estádio do time de futebol Everton proposto para as docas de Bramley-Moore também foi listado pela UNESCO como fator de exclusão.

Observando seu “arrependimento”, o comitê escreveu que “o Estado Parte não atendeu às repetidas solicitações do Comitê”.

Joanne Anderson, prefeita de Liverpool, disse que estava “extremamente decepcionada e preocupada” com a decisão, dizendo que a UNESCO não avaliou totalmente a cidade em “dez anos” e chamou a decisão de “completamente errada”.

“Nosso Patrimônio Mundial nunca esteve em melhor forma, pois se beneficiou de centenas de milhões de libras de investimentos em dezenas de edifícios históricos e na esfera pública”, acrescentou ela.

“Vamos trabalhar com o governo para ver se podemos apelar, mas aconteça o que acontecer, Liverpool sempre será uma cidade Patrimônio Mundial. Temos uma orla marítima deslumbrante e um patrimônio de edifícios incrível que outras cidades invejam.

“Nosso compromisso com a manutenção e melhoria de nossos edifícios continua forte como sempre e continuará a ser um elemento-chave em nosso esforço para atrair visitantes, junto com entretenimento, varejo e eventos.”

“Acho incompreensível que a UNESCO prefira que a doca de Bramley Moore permaneça um terreno baldio deserto, em vez de dar uma contribuição positiva para o futuro da cidade e de seus habitantes.”

Steve Rotheram, prefeito da região da cidade de Liverpool, também condenou a medida, chamando-a de “um retrocesso que não reflete a realidade do que está acontecendo no terreno”.

“Lugares como Liverpool não deveriam ser confrontados com a escolha binária entre manter o status de patrimônio ou regenerar comunidades abandonadas – e a riqueza de empregos e oportunidades que vêm com isso”, disse ele em um comunicado.

“Sim, há algumas novidades, mas a floresta de arranha-céus que deu o sinal de alarme em primeiro lugar simplesmente não se materializou.

“A UNESCO pediu uma moratória para o desenvolvimento do centro da cidade. Disseram-lhes que era contra a lei de planejamento britânica.

“Como não recebemos uma visita missionária completa da UNESCO desde 2011, convites têm sido feitos continuamente na última década para resolver esse impasse.”

A UNESCO diz que a última visita foi em 2015, e Isabelle Anatole Gabrielle, chefe do escritório do Centro do Patrimônio Mundial da Europa e América do Norte, também a visitou em 2017 para se encontrar com representantes da prefeitura. O Liverpool, porém, insiste que nenhuma dessas visitas foi “lotada”.

Liverpool é o terceiro Patrimônio Mundial da Humanidade, depois do Vale do Elba, em Dresden, na Alemanha, e do Santuário Árabe de Oryz, em Omã.

“Qualquer remoção da Lista do Patrimônio Mundial é uma perda para a comunidade internacional e para os valores e obrigações internacionais sob a Convenção do Patrimônio Mundial”, disse a UNESCO em um comunicado.

O comitê irá avaliar se ícones globais como Veneza e a Grande Barreira de Corais devem ser incluídos na lista Em Perigo.

Leave a Comment