Notícias Mundo

Protestos pela água no Irã: pelo menos três pessoas morreram em protestos contra a escassez

Os protestos começaram na província de Chuzestan, no sudoeste, e se espalharam pela cidade vizinha de Aligoodarz, na província de Lorestan.

As autoridades culpam a morte em Aligoordarz por “balas suspeitas disparadas por desconhecidos que penetraram entre manifestantes pacíficos”, informou a mídia estatal.

As pessoas têm feito manifestações há mais de uma semana sobre a escassez de água durante a pior seca no Irã em mais de meio século, que atingiu famílias, agricultura, pecuária e levou a cortes de energia.

De acordo com duas fontes independentes na província de Chuzistão, rica em petróleo, que falaram à CNN sob a condição de anonimato, o número real de pessoas mortas em mais de uma semana de protestos é maior do que o relatado oficialmente.

Uma testemunha que compareceu ao protesto na província de Chuzistão disse à CNN que pessoas foram baleadas e mortas pela polícia antimotim e agentes de segurança, e ainda havia uma forte presença de segurança no Khuzistão no sábado.

A agência de informação dissidente para ativistas de direitos humanos (HRANA) disse no sábado que pelo menos 10 pessoas morreram nos protestos e um número desconhecido ficou ferido.

De acordo com HRANA, pelo menos 102 pessoas foram presas nas últimas 10 noites em 30 cidades e vilas no Irã.

Vários vídeos enviados por usuários de mídia social na semana passada mostraram que as forças de segurança estão usando gás lacrimogêneo para dispersar os manifestantes, e outro vídeo na mídia social mostra ativistas reunidos em frente ao Ministério do Interior de Teerã para expressar apoio aos manifestantes de Kuzistão.

“Pedimos que a polícia não machuque os manifestantes que pedem (pelo) acesso à água”, disse o proeminente ativista Narges Mohammadi no filme.

As forças de segurança reforçaram sua presença em Teerã, onde a polícia de veículos blindados estava posicionada na Praça Azadi, na capital.

A economia do Irã foi parcialmente paralisada por sanções impostas principalmente à indústria do petróleo pelo ex-presidente dos Estados Unidos Donald Trump em 2018, bem como pela pandemia Covid-19. Trabalhadores, incluindo milhares de trabalhadores no importante setor de energia, e aposentados protestam há meses, com o descontentamento crescendo com a má gestão, alto desemprego e inflação superior a 50%.

Leave a Comment