Notícias Mundo

O número de mortos ultrapassou 1.000 desde o golpe na Birmânia, diz um grupo ativista

Um porta-voz da junta governante não respondeu a um pedido de comentários. As autoridades militares argumentaram anteriormente que os números do AAPP, amplamente citados por organizações internacionais, são exagerados.

O exército também informou que muitos membros das forças de segurança foram mortos. O AAPP não os inclui em sua contagem.

“De acordo com os números da AAPP, 1.001 pessoas inocentes morreram”, disse o secretário da AAPP, Tate Naing, à Reuters na quarta-feira. “O número real de mortos é muito maior.”

As forças de segurança também detiveram milhares de pessoas durante a repressão em curso, e os relatos de tortura foram generalizados.

O país do sudeste asiático mergulhou no caos desde o golpe de Estado. Os protestos continuam diariamente, rebeliões eclodem nas regiões de fronteira e greves em massa que prejudicaram seriamente a economia.

A onda severa de Covid-19 também está destruindo grande parte do país, com pessoas em filas por horas para receber oxigênio nas grandes cidades e gravemente morrendo em casa por estarem com muito medo de visitar hospitais mal equipados e mal equipados.

O exército derrubou a líder eleita Aung San Suu Kyi, citando as irregularidades nas eleições varridas por seu partido, a Liga Nacional para a Democracia, em novembro de 2020. A então comissão eleitoral e observadores internacionais disseram que as acusações do exército estavam erradas.

As autoridades militares disseram que a tomada do poder não deve ser chamada de golpe porque é constitucional.

Leave a Comment