Novas

Conheça uma startup japonesa de seda de aranha por trás de um parque de US $ 1.300 para a North Face



CNN

Cinco vezes mais forte que o aço As propriedades únicas da seda de aranha já eram apreciadas pelos antigos gregos – e recentemente os cientistas analisaram aplicações que vão da medicina à engenharia.

Agora, uma startup japonesa, Spiber, estuda como as teias de aranha podem mudar a indústria têxtil. A empresa de biotecnologia começou criando uma réplica de seda de aranha em um laboratório e, desde então, expandiu sua linha de tecidos para incluir alternativas mais sustentáveis ​​à lã, caxemira e jeans, diz Kenji Higashi, chefe de desenvolvimento de negócios da Spiber.

A marca registrada da fibra de proteína fermentada tem sido usada em coleções limitadas de marcas como a marca japonesa de streetwear Sacai e os especialistas em roupas ao ar livre The North Face Japan.

Agora aumentando a produção e se preparando para o lançamento comercial completo de seus têxteis, a Spiber espera que sua tecnologia ajude a “resolver alguns dos grandes desafios globais que enfrentamos”, diz Higashi.

As aranhas formam teias girando proteínas líquidas em seda. Embora os bichos-da-seda tenham sido criados para a produção de seda há milhares de anos, as aranhas são canibais, tornando impossível criá-las.

Portanto, amigos de Kazuhide Sekiyama e Junichi Sugahara, os fundadores da Spiber, decidiram criar um material sintético que é molecularmente idêntico à seda de aranha. A dupla começou a experimentar como estudantes na Universidade Keio na província de Yamagata em 2004 e fundou a empresa em 2007.

Spiber pesquisou “milhares de diferentes espécies de aranhas”, bem como outros tipos de seda, e compilou um banco de dados de variedades de seda, diz Higashi.

O pó de polímero de proteína fermentada é fermentado com água, açúcar e microorganismos especialmente projetados.  Após a limpeza, este pó pode ser processado em diversos tecidos, como couro, seda ou fios.

Depois de produzir com sucesso uma alternativa à seda de aranha, a equipe desenvolveu uma variedade de tecidos de proteína fabricada alterando a sequência da proteína, diz Higashi.

As fibras Spiber são o resultado da fermentação de água, açúcar e nutrientes com microrganismos especialmente modificados em tanques de aço, semelhantes aos utilizados na produção de cerveja, para a produção de polímeros proteicos. Os polímeros são alimentados através de um bocal e transformados em uma fibra, diz Higashi.

Não foi uma jornada fácil, no entanto. Em 2015, a Spiber fez uma parceria com a The North Face Japan para produzir uma edição limitada de 50 jaquetas “Moon Parka” para comemorar o 50º aniversário do Moon Landing.

No entanto, durante o processo de design, a equipe descobriu que a seda da aranha encolhe quando exposta à umidade e teve que modificar a proteína para tornar a fibra adequada para uma jaqueta ao ar livre.

“Levou quatro anos para produzir roupas que atendessem aos seus padrões”, diz Higashi. Os parques foram vendidos por 150.000 ienes (cerca de US$ 1.400 em 2019) e uma pequena coleção esgotou.

A moda é uma das indústrias mais poluentes do mundo. De acordo com consultores de gestão, a McKinsey & Company produz cerca de 2,1 bilhões de toneladas de CO2 anualmente. Cerca de 70% disso vem da produção, e a produção de têxteis utiliza grandes quantidades de matérias-primas e água.

Spiber usa robótica em sua fábrica para ajudar a produzir fibras inspiradas em seda de aranha.

Higashi diz que os têxteis biodegradáveis ​​da Spiber devem gerar apenas um quinto das emissões de dióxido de carbono das fibras derivadas de animais quando entrarem em produção em grande escala, de acordo com a análise do ciclo de vida da empresa.

No entanto, a Spiber quer reduzir ainda mais seu impacto ambiental. A empresa agora utiliza cana-de-açúcar e milho para seu processo de fermentação – plantas que utilizam grandes quantidades de terra e redirecionam os recursos alimentares, diz Higashi.

Para resolver esse problema, a Spiber está desenvolvendo um processo chamado “circulação da biosfera” que transforma roupas usadas feitas de materiais naturais, como algodão, em açúcares para fermentação.

Cerca de 40 milhões de toneladas de resíduos têxteis são produzidos a cada ano, e a maioria acaba em aterros sanitários ou incineradores: manter esses têxteis em circulação pode criar uma alternativa mais sustentável, diz Higashi.

A Spiber não é a única empresa que se inspira nos aracnídeos. Em 2016, a Adidas usou a fibra Biosteel da AMSilk em seus tênis e, em 2017, a Bolt Threads, uma inovadora têxtil californiana, apresentou seu fio inspirado em seda de aranha Microsilk em um vestido dourado desenhado por Stella McCartney.

Além de trabalhar com a The North Face Japan, a Spiber’s Brewed Protein foi usada pela designer japonesa Yuima Nakazato em várias de suas coleções e pela marca de streetwear Sacai em uma série limitada de camisetas. Higashi diz que a Spiber também está explorando oportunidades na indústria automobilística.

Em 2021, a estilista Yuima Nakazato apresentou uma coleção na Paris Fashion Week Haute Couture que apresentava um tecido azul brilhante feito de fibras de proteína fermentada e seda.

Segundo a empresa, a Spiber levantou cerca de 100 bilhões de ienes (US$ 783 milhões) de investidores, incluindo as empresas financeiras Carlyle e Mitsubishi UFJ Morgan Stanley Securities, além de doações de organizações governamentais e financiamento para o desenvolvimento de startups.

Esse financiamento permitirá que a empresa se expanda além de sua planta piloto em Yamagata – abrindo uma pequena planta na Tailândia ainda este ano e uma planta maior nos Estados Unidos no próximo ano em parceria com a empresa internacional de processamento de alimentos Archer Daniels Midland Company. Higashi diz que isso permitirá a produção de milhares de toneladas de proteína fabricada até o final de 2023.

Higashi diz que a escala ajudará a reduzir o preço da proteína fabricada e permitirá que a Spiber vá além do mercado de designer de luxo.

“Temos recursos para criar soluções que possibilitem uma moda mais circular”, diz Higashi. “Nossa missão é trazer essas soluções para o mundo.”

Leave a Comment