Novas

Operação policial deixa pelo menos 22 mortos no Rio de Janeiro

Autoridades disseram que houve um tiroteio depois que a polícia foi morta a tiros enquanto se preparava para entrar na Vila Cruzeiro, uma comunidade desfavorecida onde os líderes do suposto grupo criminoso estariam reunidos.

Em comunicado oficial divulgado pela assessoria de imprensa na noite de terça-feira, os gendarmes do Rio disseram que, embora “necessário”, a operação não pode ser considerada bem-sucedida em termos de fatalidades.

“O sucesso não pode ser considerado uma operação fatal”, disse o comunicado.

Em entrevista coletiva anterior, o secretário da Polícia Militar do Rio de Janeiro, Luiz Henrique Marinho Pires, disse que a operação foi estimulada pela “migração criminosa” para um bairro onde, segundo ele, estão localizados traficantes de outros estados.

Após a batida, moradores da Vila Cruzeiro se reuniram no topo do morro onde ocorreu o tiroteio para procurar o cadáver, segundo o ativista local Raull Santiago. Escolas e o serviço público de saúde também foram fechados como resultado da operação, disse o secretário de educação da cidade.

Uma pessoa ferida chora após ser tratada no hospital Getúlio Vargas após uma batida policial na Vila Cruzeiro, no Rio de Janeiro, na terça-feira.

A operação ocorreu apesar de uma proibição do Supremo Tribunal Federal em junho de 2020 de operações de drogas nas favelas densamente povoadas do Rio de Janeiro, exceto em circunstâncias “absolutamente excepcionais” durante a pandemia de coronavírus. A decisão foi projetada para evitar qualquer ônus adicional sobre a saúde pública e a ajuda humanitária.

A assessoria de imprensa do Hospital Getúlio Vargas informou à CNN que 21 pessoas morreram no hospital após a operação e outras seis foram internadas com ferimentos.

Pires disse que a decisão anti-comício atraiu supostos criminosos para comunidades pobres.

“Fazer desta (comunidade) seu esconderijo é o resultado dessa decisão”, disse ele em entrevista coletiva.

As batidas policiais no Rio de Janeiro resultam regularmente em altos índices de mortes, provocando duras críticas dos defensores dos direitos humanos.

Pessoas reagem quando as vítimas chegam ao Hospital Getúlio Vargas em 24 de maio de 2022.

Um estudo de maio de 2022 realizado por cientistas da Universidade Federal do Fluminense (UFF) descobriu que de 2007 a 2021, batidas policiais no Rio de Janeiro levaram a três assassinatos em massa – nos quais pelo menos três pessoas são mortas – um mês em comunidades pobres .

Segundo dados da UFF, um total de 2.374 pessoas morreram durante as batidas policiais naquele período.

De acordo com a UFF, o ataque de terça-feira foi o segundo ataque mais mortal do gênero na história da cidade. Segundo a universidade, 28 pessoas foram mortas na operação mais mortífera realizada pelas forças de segurança no bairro do Jacarezinho, no Rio de Janeiro, em maio de 2021.

Leave a Comment