Futebol Mundial

Jair Bolsonaro: Como a camisa amarela divide o Brasil

Esta famosa camisa amarela foi queimada na imaginação do público mundial na Copa do Mundo de 1970. Inspirado nas atuações cativantes de Pelé – ele vestiu a camisa 10 – a camisa amarela representou o sucesso do Brasil em campo e criou uma imagem positiva em todo o mundo nas últimas cinco décadas.

Rápido para 2020 Os críticos do Bolsonaro dizem que a icônica camisa amarela agora foi manchada por um relacionamento próximo com o presidente brasileiro.

Ex-jogador do Brasil e do Corinthians de São Paulo, Walter Casagrande lembra da sensação de marcar um gol com a camisa amarela em seu primeiro jogo contra a seleção, em 1985.

“Foi uma coisa mágica”, disse Casagrande CNN Sport, “como um objeto encantado que despertou grandes emoções em mim.”

Os sentimentos de Casagrande estão à esquerda do abismo político entre os partidários e oponentes de Bolsonaro, e ele sente que o objeto que ama está sendo mal representado.

“Agora acredito que a camisa amarela do Brasil foi sequestrada e apropriada pela ala direita, então não podemos usá-la.”

Casagrande disse que para ele o ponto forte da camisa amarela é representar democracia e liberdade.

“O Brasil parece terrível para o mundo agora”, disse ele. “Pela primeira vez na vida, vejo uma camiseta amarela sendo usada contra a democracia e a liberdade.”

Apoiadores do presidente Jair Bolsonaro rezam enquanto andam de motocicleta e protestam contra o Congresso Nacional e o Supremo Tribunal Federal por medidas de contenção durante a pandemia do coronavírus (COVID-19) antes do Congresso Nacional em 9 de maio de 2020 no Brasil.
O manifestante está segurando uma placa que diz:
LEIA: 50 anos depois, o time vencedor de 1970 continua sendo o maior da história do Brasil

“Não se trata de política”

Assim que a esquerda critica Bolsonaro, seus partidários não hesitam em contra-atacar.

Cosmo Alexandre, o jogador brasileiro que tem vários títulos mundiais no Muay Thai e Kickboxing, acredita que a esquerda tem muitos problemas com o Bolsonaro e está usando a camisa como mais uma forma de levantar reclamações.

Como torcedor do Bolsonaro, Alexandre descarta as acusações de que o simbolismo da camisa está sendo manipulado e diz que o motivo pelo qual os torcedores usam a camisa amarela é simples: todos no Brasil usam a camisa amarela.

Ele ressalta que nem sempre os torcedores vestem a camisa da Seleção Brasileira, e os ralis ficam lotados de gente com todo tipo de camisa amarela.

Alexandre diz que há uma diferença entre a reputação esportiva da camisa e de suas associações e o que ela representa politicamente.

“Todo mundo conhece a Seleção Brasileira de Futebol no mundo todo, então mesmo que eu vá para uma luta e vista uma camiseta amarela, todo mundo sabe que é o Brasil”, disse ele. “Portanto, não se trata de política – o mundo só conhece o futebol no Brasil.”

Pode ser mais fácil para alguns isolar o futebol e a política em um país onde o futebol é Deus.

Josemar de Rezende Jr. É torcedor de futebol que, antes das eleições, fez parte do grupo de voluntários do Bolsonaro em sua cidade. Ele disse estar orgulhoso da reputação global da seleção brasileira de vencer e, para ele, a camisa amarela “significa amor pelo país, liderança, conquista e orgulho”.

Apoiadores do presidente Jair Bolsonaro se reunirão contra o atual governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, em 31 de maio de 2020 no Rio de Janeiro, Brasil.
Apoiadores do presidente Jair Messias Bolsonaro se reúnem para apoiá-lo e protestar contra o racismo e a morte de negros nas favelas do Brasil durante o protesto Black Lives Matter na Praia de Copacabana, no Rio de Janeiro, em 7 de junho de 2020.
LEITURA: O segredo da final da Copa do Mundo de 1998

Blue and White Set Campaign

Mesmo assim, o assunto camisa amarela se tornou tão polêmico que está em andamento uma campanha em que o Brasil vai jogar com a camisa branca.

João Carlos Assumpção, jornalista brasileiro, cineasta e autor de Gods of Soccer, livro sobre a história política, sociológica e econômica do Brasil, faz campanha para que a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) se desfaça totalmente da camisa amarela e volte ao clássico branco e azul definido a partir de 1914, quando o programa começou.

A CNN contatou a CBF, que respondeu que decidiu não comentar o assunto “porque é um problema muito especial”.

“As pessoas adoravam o futebol brasileiro porque jogávamos muito bem”, disse Assumpção, “e se jogarmos bem com uma camisa branca em 2022, acho que todo mundo vai comprar uma camisa branca.” Vai ser muito difícil mudar, mas acho que não é impossível. “

Um apoiador do presidente brasileiro Jair Bolsonaro chora durante uma manifestação por seu governo durante a pandemia de coronavírus fora do Palácio do Planalto em 24 de maio de 2020 em Brasília, Brasil.
Manifestantes usando máscaras erguem os punhos na Avenida Paulista durante um protesto em meio à pandemia do coronavírus (COVID-19) em 14 de junho de 2020 em São Paulo, Brasil.
A camisa branca e azul foi considerada azarada quando o Brasil perdeu a Copa do Mundo em casa para o Uruguai em 1950, então mudou para a camisa amarela e ganhou cinco Copas do Mundo nela – um recorde final que permanece até hoje.

A visão de Assumpção para mudar a cor do kit é dizer ao mundo que os brasileiros querem uma mudança no país. “Não as mudanças que esse governo está fazendo”, explicou Assumpção.

Do outro lado do espectro político, a cor amarela, incluindo a camisa amarela, representa uma mudança positiva no país. O apoiador do Bolsonaro, Rezende Jr., acredita que a tentativa da esquerda de recuperar a camisa amarela é uma tentativa de “rotular erroneamente o governo”, que ele descreve como “um governo patriótico que representa e tem o apoio de todas as classes sociais do país”.

Apoiadores do presidente brasileiro Jair Bolsonaro demonstram seu apoio em Brasília em 31 de maio de 2020 durante a pandemia COVID-19.
LEITURA: Cabeça de porco e a polícia para a prevenção: a transferência mais polêmica do futebol

Fãs de futebol competitivo se unem

A turbulência política no país reflete a ferocidade entre as rivalidades futebolísticas entre as cidades brasileiras. É que não se limita aos limites da cidade e tem unido fãs nos últimos meses.

São Paulo é sede de quatro grandes clubes: Corinthians, Palmeiras, São Paulo e Santos. A rivalidade entre Corinthians e Palmeiras é particularmente intensa e, em junho, grupos de cada clube saíram às ruas para contra-atacar os torcedores do Bolsonaro.

O sociólogo Rafael Castilho, integrante do coletivo Democracia Corinthiana e coordenador do Centro de Estudos Corinthians, disse que, para superar a atual conjuntura política, o Brasil terá que “unir formas diferentes de pensar e aceitar as contradições”.

Castilho explica que os clubes rivais com responsabilidade cívica sentem que se apóiam e se conectam com os movimentos da sociedade civil, “porque o país vive uma crise de representação partidária e os movimentos sociais têm sido intimidados pela ação policial”, disse, acrescentando que “a atitude dos fãs ganhou simpatia porque parte do público se sente representado pela coragem dos fãs. ”

O Corinthians tem uma história de mesclar futebol e política. Na década de 1980, durante o movimento pró-democrático Diretas Já, a equipe do clube era comandada pelos líderes da seleção nacional Sócrates e Casagrande.

Os dois confundiram o futebol com a política quando o time vestiu o uniforme em um jogo de 1982 com as palavras “VOTO 15” para motivar seus torcedores a votar nas eleições para o governo do estado de São Paulo.

Dois anos depois, o Corinthians estava no centro de um movimento chamado Democracia Corintiana, que Casagrande disse ter colocado mais de um milhão de pessoas vestidas de amarelo nas ruas.

“Foi um momento muito importante para a democracia brasileira e essa camisa amarela foi fundamental para esse movimento”, disse Casagrande.

“Eu não quero o comunismo em meu país”

A camisa amarela voltou às ruas durante os protestos anticorrupção de 2013 contra a ex-presidente Dilma Roussef. No ano anterior à Copa do Mundo neste país sul-americano, os manifestantes conservadores usaram camisetas da cor do Brasil, enquanto os esquerdistas usaram outras cores.

Alexandre e Rezende Jr. Eles dizem que o amarelo é uma melhoria em relação às camisetas vermelhas que os apoiadores do governo usavam quando a esquerda estava no poder, aludindo ao apoio básico ao comunismo.

“Quando o Bolsonaro começou a correr, os seus apoiantes usaram o amarelo para mostrar que sou brasileiro e não quero o comunismo no meu país”, disse Alexandre.

O presidente brasileiro Jair Bolsonaro presenteou o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, com a camisa do Brasil na Casa Branca em 19 de março de 2019 em Washington.

A luta pela camisola amarela deixa alguns anseios de reconquistar um passado vitorioso, enquanto outros tentam dar um novo significado ao símbolo icónico. Em um país tão enraizado no futebol, esse é um problema que dificilmente desaparecerá.

Assumpção acredita que só a comunidade do futebol e os brasileiros desvinculados da extrema direita podem ter a camisa de volta “talvez daqui a cinco ou dez anos, mas não agora. Agora não”.

Leave a Comment