Novas

Os pacientes deste centro de reabilitação de drogas da Nova Zelândia não são humanos – são pinguins

(CNN) – Insolentes, durões e rancorosos: é assim que os pinguins de olhos amarelos são descritos com tanto carinho por pessoas que passam seus dias trabalhando com eles.

“(Eles) não são tão fofos e aconchegantes quanto parecem”, diz Jason van Zanten, gerente de segurança do Penguin Place, na Península de Otago, na Nova Zelândia. “Eles podem bater em você muito forte.”

Localmente chamado de hoiho, que significa “barulho gritante” em Maory, o Pinguim de Olhos Amarelos é a maior espécie de pinguim que vive e se reproduz no continente da Nova Zelândia.

No entanto, sua população diminuiu drasticamente nos últimos 30 anos devido às crescentes ameaças de predadores, mudanças climáticas e doenças. “Perdemos cerca de três quartos da população nos últimos 10 anos”, diz van Zanten.

Agora ambientalistas estão se reunindo para salvar a espécie. Penguin Place – onde van Zanten trabalha – oferece a hoiho um lugar para descansar e se recuperar, enquanto perto do The Wildlife Hospital, Dunedin trata pessoas com ferimentos e doenças graves.

Esses abrigos de pinguins correm contra o tempo para salvar uma população em rápido declínio – e dar ao “barulho gritante” uma chance de sobreviver.

O pinguim de olhos amarelos – conhecido como hoiho, que significa “ponto de exclamação” em maori – é a maior espécie de pinguim que vive no continente da Nova Zelândia. Mas nas últimas décadas, o número de hoiho caiu drasticamente. Agora os ambientalistas estão correndo para salvar essas aves raras da extinção.

Pinguins em reabilitação

Enquanto Penguin Place é um paraíso para todos os pássaros doentes e famintos, incluindo outras espécies de pinguins, hoiho compõe a maioria dos pacientes que passam, diz van Zanten.

O centro foi estabelecido em 1985, quando o fazendeiro local Howard McGrouther cercou cerca de 150 acres de sua terra para criar uma reserva para oito casais reprodutores de pinguins de olhos amarelos que faziam ninho em sua propriedade.

McGrouther “montou um centro de reabilitação óssea” e também começou a replantar árvores nativas que antes eram derrubadas para agricultura, diz van Zanten, que começou a trabalhar como operário no centro, aparando grama e realizando manutenção, e agora supervisiona as operações. O centro foi financiado inteiramente pelo turismo até a pandemia de Covid-19, quando teve que ser fechado ao público e recebeu financiamento do governo por meio do departamento de conservação, diz van Zanten.

A fome é um grande problema para o hoiho, pois cerca de 80% dos pinguins estão abaixo do peso no centro, diz van Zanten. A pesca comercial – que fez alguns pinguins como iscas – reduziu a disponibilidade de pequenos peixes e lulas que os pinguins comem, e as variações da temperatura do mar causadas pelas mudanças climáticas mudaram a distribuição de suas presas.

“Eles gostam que seja um pouco mais frio e, com o aumento das temperaturas, ficam mais estressados ​​e superaquecidos”, diz van Zanten.

Doença misteriosa

Além da fome, muitos hoiho chegam a Penguin Place com doenças e ferimentos – e é aí que entra o The Wildlife Hospital em Dunedin, especializado em espécies nativas.

Em terra, o hoiho é caçado por mamíferos, incluindo cães, arminhos e raposas que podem ferir gravemente eles ou seus filhotes, enquanto na água, tubarões e barracouts, peixes predadores com dentes de navalha, geralmente causam “danos terríveis”, diz Lisa. Argilla, veterinária sênior e diretora do The Wildlife Hospital em Dunedin.
Hoiho geralmente fica no Penguin Place por cerca de duas semanas para descansar, se recuperar e recarregar antes de retornar à liberdade.

Hoiho geralmente fica no Penguin Place por cerca de duas semanas para descansar, se recuperar e recarregar antes de retornar à liberdade.

Ben Foley/CNN

Hoiho também sofre de várias doenças, incluindo malária aviária e dermatite, que o hospital pode tratar com antibióticos. Além disso, a difteria aviária devastou a população hoiho nos últimos 20 anos: causa lesões semelhantes a úlceras na boca das aves e dificulta a alimentação, levando à fome.

E agora há outra doença nova e desconhecida que afeta os filhotes de hoiho. Originalmente conhecida como “pulmão vermelho”, a doença causa problemas respiratórios, de acordo com Kate McInnes, veterinária de espécies ameaçadas do departamento de conservação da Nova Zelândia.

As coisas começaram a surgir há cinco anos, mas “houve um aumento significativo nos últimos dois (anos)”, diz McInnes. A doença não parece ser contagiosa, ela acrescenta, mas os cientistas ainda estão tentando determinar a causa.

Se os filhotes forem hospitalizados com uma doença misteriosa, Argilla diz que eles não podem ser salvos. Mas Argilla e sua equipe encontraram uma solução: criar filhotes à mão no hospital.

“Se os pegarmos em uma certa idade quando são muito jovens, podemos realmente prevenir a doença”, diz ele. Os filhotes são retirados dos ninhos logo após a eclosão e acasalam com seus pais na natureza após 10 a 14 dias.

Para pássaros doentes e feridos, o The Wildlife Hospital os envia para Penguin Place após o tratamento, onde se recuperam antes de serem liberados, diz Argilla. “É emocionante saber que o que estamos fazendo realmente faz a diferença.”

Possibilidade de reflexão?

Em Penguin Place, os hoihos são mantidos em pequenos recintos com pedras, blocos de madeira e abrigos. Programas nutricionais intensivos estão em vigor para alimentá-los antes de serem soltos e alimentar os peixes duas vezes ao dia.

A maioria das aves fica no centro por cerca de duas semanas antes de ser solta na reserva, onde pode acasalar e nidificar, diz van Zanten, acrescentando que “quanto mais elas estiverem na natureza, melhor será para elas”.

Como a única espécie de pinguim solitário do mundo, os hoiho são anti-sociais e não gostam de fazer ninho na vista de seus vizinhos – às vezes eles até derrubam seus ovos se avistam outro pinguim, diz van Zanten. Para que eles se sintam mais seguros, Penguin Place espalhou pequenas casas de madeira em forma de A na reserva, escondidas à sombra de árvores e arbustos perto da praia.

Penguin Place oferece um passeio pela reserva aos visitantes através de túneis camuflados e cavados à mão, permitindo que os turistas avistem hoiho em seu habitat natural sem perturbá-los.

Penguin Place oferece um passeio pela reserva aos visitantes através de túneis camuflados e cavados à mão, permitindo que os turistas avistem hoiho em seu habitat natural sem perturbá-los.

Ben Foley/CNN

Embora sempre haja um risco envolvido na remoção de animais da natureza, McInnes diz que uma abordagem prática de conservação é necessária: “Se não intervirmos, um grande número desses filhotes morrerá”. Prevê um aumento de casais reprodutores que regressam à praia dentro de um ou dois anos como resultado da intervenção.

E van Zanten está otimista de que o gênero possa se recuperar. Penguin Place tem uma taxa de sucesso notavelmente alta: mais de 95% das 200 a 300 aves que entram na instalação a cada ano são soltas na natureza, diz ele. No ano passado, a instalação atingiu um recorde de vida de liberação de 99% das aves, dando esperança para esta ave criticamente ameaçada.

“O trabalho que estamos fazendo é absolutamente crucial para estes (pinguins) e sua sobrevivência no continente”, diz van Zanten.

Leave a Comment