Entretenimento

Star Wars pede racismo após os ataques a Moses Ingram

franquia tuitou que ela “recebeu orgulhosamente” Ingram, que havia acabado de estrear como Reva na série Disney + “Obi-Wan Kenobi”.
“Se alguém vai fazê-la se sentir indesejada de alguma forma, temos apenas uma coisa a dizer: resistimos”, ele twittou em uma conta de Star Wars. “Existem mais de 20 milhões de espécies sencientes na galáxia de Star Wars, não escolha ser racista“.

Ingram postou muitos exemplos de mensagens e comentários racistas no Instagram, observando que ela recebeu centenas de mensagens, algumas das quais continham a palavra “N”.

“Ninguém pode evitar. Ninguém pode fazer nada para acabar com esse ódio”, disse ela em um vídeo postado em sua cobertura no Instagram.

“O que me incomoda é… aquela sensação de que eu só tenho que calar a boca e aceitar, eu só tenho que sorrir e aguentar. E eu não sou construída assim”, continuou ela. “Obrigado às pessoas que aparecem para mim nos comentários e nos lugares onde não pretendo postar. E o resto de vocês todos são estranhos.

Obi-Wan Kenobi retorna às nossas telas.  Aqui é onde parou
A experiência de Ingram depois de fazer sua estreia em Star Wars se tornou uma tendência – os atores John Boyega e Kelly Marie Tran também falaram em voz alta sobre o ódio racista que receberam depois de estrelar os filmes de Star Wars.
Tran, a primeira mulher negra a estrelar um filme de Star Wars, escreveu um artigo no New York Times sobre o assédio que sofreu depois de atuar em Os Últimos Jedi em 2017. O ódio cresceu tanto que Tran deixou as redes sociais e passou um tempo em terapia.
Ainda antes, em 2014, a aparição de Boyegi no trailer de “O Despertar da Força” desencadeou o movimento de mídia social #BlackStormtrooper depois que muitos responderam ao seu elenco com suspeita e comentários racistas.

Leave a Comment